Conhecer o seu amor em

Acesse e descubra o amor de Deus por você. Ele te ama e quer se relacionar com você. É o que a Bíblia diz. É o que Ele diz. Entre em contato. Bate-papo, paquera, namoro e quem sabe... o amor? Quer conhecer o amor da sua vida? Ele pode estar mais perto do que você pensa. O Aplicativo Namoro On vai lhe ajudar a encontrar o amor da sua vida de forma rápida, segura e divertida - e ainda por cima é grátis! ... Baixe no seu celular ou tablet! Namoro On. Encontre namoro em Moçambique. O cantinho onde você vai conhecer o amor da sua vida! conheça novas pessoas, partilhe momentos e diga adeus à solidão. Encontre moçambicanos residentes em Moçambique e outros espalhados em de todos os cantos do mundo, que procuram a felicidade ao seu lado! Registar Agora Estou cansada de encontrar as pessoas sem sorrir Caminhando em meio à dor e sem rumo aqui Vão vivendo sem sentir o amor de Deus A tristeza e solidão são caminhos seus. Conhecer Jesus é viver o amor Ele é paz na aflição, ele é salvação Conhecer Jesus é viver o amor Ele é fonte de poder que me faz viver. Cristo é luz na escuridão deste mundo tão cruel Ele é paz ao coração e ... Mulher viaja 2414 quilómetros para conhecer o seu novo amor e acaba 'pendurada' FOTO: Direitos Reservados O namoro através da Internet está a normalizar-se a passos largos, mas acarreta riscos. E Jasmin talvez não tenha calculado bem o 'percurso' da sua aventura. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular. Se pretende ler mais artigos parecidos a Perguntas para conhecer melhor o namorado ou namorada , recomendamos que entre na nossa categoria de Terapia de casal . Teste com 20 perguntas para conhecer ainda mais o seu amor! Dicas de relacionamento. Por Me Apaixonei. 6 de dezembro de 2018. 4104. 0. Compartilhe: Compartilhe esse post: ... Mencione algumas coisas em que você considera que você é realmente bom(boa) e que te tornam único(a). 10.

DEVORANDO MINHA DEUSA NO SOFÁ

2020.10.24 00:55 mentalorgasmo DEVORANDO MINHA DEUSA NO SOFÁ

Quase todas as vezes que eu saio do banho essa garota está assim: de quatro, com esse lindo rabo empinado, me esperando para ser deliciosamente fodida. Ela adora, ela ri; vira a cabeça para trás, dá um tapa na raba e depois passa na bocetinha, em seguida chupando um dos dedos. (O pau cresce na hora.)
Me aproximo dela e, com a toalha pendurada no ombro, vou me masturbando bem devagar, olhando para ela cheio de vontade de sentir seu calor interno que só essa mulher tem. Como eu sei que ela já tomou banho antes de mim, ainda brincando com o garoto eu me aproximo da sua bunda e apoio meu rosto – mas com a língua na beira do orifício dela, que lateja como nunca. Ele pisca, me conhece. Fica extasiado quando sente minha língua perto. Então eu levo minhas mãos ao seu corpo e comceço a acariciar seu corpo, deslizando pelas laterais, subindo até os seios – e nessa o instrumento “duraço” está encostando na rabeta, indo à loucura – para realizar aquele aperto suave e delirante. Ela apoia uma mão no sofá e a outra fica por cima da minha durante meu toque nos seios… ela alisa, acaricia, mas logo desliza até a calcinha e puxa pro lado, consequentemente se tocando com leveza, cheia de fogo, toda se ardendo. Dou umas puxadas no mamilo de cada seio, esfrego a palma de cada mão – que delícia senti-los durinhos –, engulo saliva e logo me afasto bem devagar, já caindo de boca na sua “Rosa”, e me misturo com seus dedos começando a ficar melados.
Jogo a toalha na cadeira da mesa da sala, me ajeito e mergulho nela, dando umas chupadas intensas, sugando tudo o que consigo dessa delícia de flor, fazendo minha deusa pirar. Uso as duas mãos para abrir o caminho, e com os polegares exploro os grandes lábios dessa xota monumental. (Nossa, quanta saliva tive que soltar. Eu sou apaixonado por isso e por essa mulher, também.) Provo para ela o quanto eu gosto de satisfazê-la. Me perco. Me encontro. Chupo com gosto, deixando seu grelinho babado, misturado com a minha saliva quente.
Subo lambendo com pressão até seu “O” e cuspo, deixo escorrer enquanto ela pisca o danado para mim, e sem esperar mais um segundo eu voo nele e fico passando a língua de maneira circular, alternando para umas pressionando, fazendo suas gemidas atingirem as paredes. Minhas mãos apoiadas na sua bunda acariciam mas apertam-na. Dou uns tapas. Coloco uma mão pela frente e inicio uma massagem no clitóris, elevando o nível. Ela suspira. Ela me pede para não parar. Ela diz que está delicioso. Encantador. Surrealidade pura. Conexão elevada.
– Ai, eu vou gozar, amor! – ela diz com as pernas começando a bambear.
Dedo seu cuzinho e cuido do clitóris. Estamos acima das nuvens. Bocetinha toda babada. Cuspo mais no cuzinho. Volto a lambuzá-lo. Paro. Desço à boceta. Puxo o grelo chupando. Enfio a cara entre sua bunda. Me entorpeço dela. Logo sinto minha mão completamente molhada, porque ela gozou nela. Em seguida penetro meu garotão no cuzinho sem que ela tivesse tempo para imaginar essa minha ação, e vou socando gostoso apreciando toda essa grandeza assim para mim, livremente rebolando comigo dentro dela. É bem apertado, mas está gostoso. Bato com vontade. Deixo as marcas das minhas mãos. A gente se deleita. Ela volta a massagear o clit. Geme que é uma beleza. Eu soco até o limite. Ela pira. Ela é louca por mim. Faço como ela gosta.
A piroca lateja enquanto viajo dentro dessa imensidão. Cuzinho extremamente apertadinho, travando e soltando o pau… uma delícia para penetrar. Ela rebola com jeito, na manha, na sabedoria. Vira a cabeça para trás, joga o cabelo pro lado e fica mordendo o lábio inferior, assentindo enquanto fico no vai-e-vem. Bato mais. Seguro suas nádegas. Acaricio. Aliso com paixão. Ela me contagia de felicidade. E afim de me deixar mais maluco, me pede:
– Goza dentro da minha bocetinha, goza?
Como recusar? eu penso.
Tiro lentamente e entro nela por outro caminho, sentindo o ambiente completamente molhado e escorregadio. Levo as mãos à cintura e meto com vontade, com força, até o limite. Ela pira. Geme cada vez mais alto me dizendo que está uma delícia, me pedindo para gozar gostoso, jogar meu leite quente dentro dela. Cravo minhas mãos nessa delícia de cintura e vou me deleitando nessa flor esplêndida que se abre para mim sempre que me apresento. E sem pensar duas vezes gozo, bem gostoso, dentro dela – mas não tiro: agarro-a e me sento no sofá como se estivéssemos colados, onde ela começa a rebolar e quicar ao mesmo tempo, louca, louca por estar comigo mais uma vez.
submitted by mentalorgasmo to u/mentalorgasmo [link] [comments]


2020.10.16 21:12 Scalira Escritor frustrado pede opinião

Alguém poderia ler e me dar um feedback?
CITTÀ — di — C A R T A
.
prologue
.
Era eu, então, um garoto e já era ela uma mulher num corpo de menina.
Creio eu que as garotas amadureçam mais cedo: despertam para o amor e para os caprichos da sensualidade enquanto somos ainda só meninos apavorados, acossados às saias das mães e desejosos de videogames e jogos de bola. Seus olhos afloram antes para a ternura das paixões e seus lábios florescem antes a receber os beijos de um amante, enquanto os nossos são turvos, velados pelos constrangedores beijos lamechas das tias. Selina era uma mulher; eu, um menino. E era ela o meu fascínio.
Sentávamos na mesma fila, na mesma sala. Eu atrás dela. Via, dia após dia, aquele seu cabelo louro que era tal qual aço escovado. A curvatura perfeita de sua nuca; a pele de um bronze-praia que se perdia na gola da camisa para esconder sabe deus quais mistérios, sabe deus quais prazeres. Havia ali, entre o pescoço e a orelha, uma marca de nascença que era a marca de um pirata; o sinal de um tesouro enterrado que eu desvendaria se pudesse estirar os dedos e tocá-la, deslizar a ponta dos dedos pela arredia penugem dourada de sua orelha. Haveria um arrepio, então. Haveria eletricidade no ar, como o assobio da tempestade no vento. Ela voltaria os olhos para trás e eu veria o assombro de surpresa naqueles olhos verde-mar com os quais eu sonhava sem saber por quê. E o que eu faria, então?
Meus desvarios mais inventivos envolviam segurar-lhe a mão, eu acho. Examinar-lhe os dedos. Andar com ela pelos corredores, de mãos dadas. Sentar-me com ela no recreio.
Mas era eu um garoto e era ela uma menina. Uma menina crescida. Seus olhos eram velhos quando os meus eram novos. Ela vira o mundo. Havia visto as estrelas e já eram elas puras banalidades para as quais os meus olhos ainda não haviam ascendido. Eu ainda deslumbrava-me com a beleza do mundo, das coisas vivas, da simplicidade; ela trazia um cansaço naqueles ombros escondidos que eu jamais conheceria.
Mas eu a amava. Sei que amava. O amor puro de uma criança por outra criança. O amor puro de um menino que sonha em segurar a mão de uma menina e olhar fundo em seus olhos e dizer que a ama. Sonhava, talvez, com a esperança — oh, a mais irreverente loucura! — de que ela me beijasse a bochecha. Haveria, então, combustão. Seria eu fogo, seria ela paixão.
Eu a amava, mas Selina não amava ninguém.
Não fomos amigos naqueles dias de infância.

Fui-me embora naquele ano com meus pais a tentar a sorte na grande São Paulo, quando pensávamos haver por lá melhores oportunidades do que na pequena Buri. Meu pai, trabalhador do campo, sobreviveu a duras penas na selva de pedra e, quando o dinheiro encurtou e as contas do mês apertaram, fizemos o caminho de volta para o interior e para os roçados arrendados nas grandes plantações. Os grandes laranjais iam até perder de vista naquela terra escura queimada a café e, quando voltamos àquele rincão, houve uma choça para nós, a que chamamos de lar, e nos juntamos aos trabalhadores pobres a lavrar a terra e colher as frutas rotundas, rebentando de doces, trazidas a baixo por nossas mãos calosas e feridas.
À nossa chegada o sítio era um pedaço de terreno pantanoso, no qual o barro formava poças lodosas onde corriam cães e trotavam mulas e o pouco de verde que havia de grama penava a vingar sob o pisoteio dos animais. Pela manhã, duas vacas careciam de ordenha. Os porcos chafurdavam irrequietos no chiqueiro e um velho galo, cujas esporas saltavam para fora dos pés tais quais duas baionetas, esgoelava-se ao nascer do sol e ao findar do dia. Era seu canto agudo bramido do topo dos telhados que marcava o passo do dia de trabalho. O sol inda nem nascera e estávamos, então, em pé: era eu moço feito no estirão da idade quando voltara à vida do roçado em Buri.
Eram corridos dez anos desde que vira Selina.
Ela era um casual sonho que visitava-me tal qual o lampejo de uma luz que faiscasse na mais completa escuridão. Lembrava-me, então, da garotinha do cabelo dourado; o anjo de bronze que caminhava entre nós e cujos olhos distantes falavam do mar e de traiçoeiras águas. Ela, que jamais fora minha amiga. Ela, que jamais voltara o rosto para trás. Não havíamos trocado palavras naqueles longínquos dias de escola e, inda assim, eu a amara. Uma criança, verdade, mas puro era o amor que eu havia lhe entregado. Nem antes, nem depois pude experimentar a mesma pureza de sentimento que havia sentido por aquela luzinha que brilhava no escuro dos dias, nas primeiras horas da manhã; aquele sorridente solzinho de caninos acavalados a quem eu daria o mundo para que sorrisse para mim. Mas então, tantos anos depois, moço beirando a maioridade dos dias, sua lembrança era só um faiscar de nostalgia, um borrão lançado a uma página; uma figura fugidia que brincava entre meus dedos e que desaparecia toda vez que eu tentava olhá-la mais de perto.
Àquela feita eu já havia conhecido os mistérios que guardam as mulheres. Havia trocado beijos com as moças da cidade e deitara-me em seus braços desejosos de paixão. Havia perdido a crença em amores que duram para perder-me no vale dos prazeres que aqueles corpos delgados ofereciam sem muito compromisso. No fulgor da adolescência garotos são só garotos: há competição por quantas bocas beijamos, por quantas frases feitas nos conseguirão o calor do corpo de uma jovem guria. Assim, um rosto era só mais um rosto. Um beijo, só mais um beijo. Um corpo, só mais um corpo. E eu me perdia na imensidão das mentiras contadas, dos casos escondidos, das escapadas noturnas e o fastio daquelas perambulações só me fizeram descrer do que quer que eu tenha acreditado, um dia, que o amor pudesse ter sido. Via-me num interlúdio de paixão e prazer que era inócuo de sentido.
Mas de vez em quando eu pensava na luz.
Pensava naquela figura fugidia que já não me permitia vê-la, como fosse eu um garoto crescido que deixara de crer em fadas.
Já não me lembrava de como era a sensação de amá-la. Algo em mim doía por esse amor perdido, jamais realizado. Mas era essa a vida. Cremos eternas certas coisas — a dor, o medo, o amor —, mas tudo passa. Ficam-se as lembranças, mas mesmo estas são incertas; cremo-nos muito certos de que as coisas foram tais quais foram, mas, assim, por que não podia mais lembrar-me do exato verde-mar dos olhos dela? Não lembrava-me mais se a marca — a marca do tesouro, a marca dos mistérios — ficava à esquerda ou à direita e quanto mais tentava vê-la com clareza, mais sua imagem desfazia-se no luscofusco da névoa; ora surgindo, ora desaparecendo. Sabia que havia amado, mas não sabia mais que queria dizer isso, tal como sabia que um dia tivera, eu, oito anos, mas já não podia reproduzir a velha alegria da infância ao bel-sabor da adolescência.

Não a reconheci quando a vi outra vez. E quando a reconheci, não houve, tal qual nos livros, o reavivar do amor esquecido.
Ela era outra, e eu também. Não tínhamos mais oito anos e jamais teríamos outra vez. O passado era melhor intocado, diriam. Uma memória perfeita, cristalizada no tempo; um reino próprio em que não se pode mexer nem alterar. E mesmo lá, talvez, eu não a houvesse compreendido; mesmo lá, talvez, eu não a houvesse amado — a Selina-menina, a Selina-verdade —, mas amara um sonho. O sonho que tinha dela, o sonho de tocar-lhe as mãos e de sentar-me com ela no recreio. O sonho do seu sorriso amado. Mas havia fechado os olhos para os dela; aqueles verdes-mares antigos, antigos como a terra, aos quais nunca me dei o luxo de entender. Não sabia disso, então, mas agora, já velho, ao escrever estas memórias, vejo que a Selina amada só existira, então, em minha mente, onde ela era toda a certeza de uma vida de sonho e felicidade. Não pude entendê-la, então. Duvido que possa entendê-la agora. Viemos a nos conhecer, como ficará claro adiante, mas Selina era então, como o é agora, um mistério para mim.
Estávamos matriculados no mesmo liceu e, quando as aulas retornaram, esbarramo-nos pelos corredores. Não estávamos na mesma classe - havia eu reprovado um ano do ginásio a procurar emprego em São Paulo e, uma vez arranjado, trabalhara no carregamento de caminhões por todo o dia. Não era boa a paga que roubava-me de meus estudos, mas eram aqueles dias difíceis e qualquer vintém a mais pesava na comida da mesa. Estava no penúltimo ano do colegial e ela já findaria os estudos naquele ano em que a reencontrei.
Selina estava mudada. Não era algo em seu porte ou seu semblante, pois ainda havia muito da menina da carteira em frente naquela moça que nascera ali, e, embora houvesse crescido um palmo e ganho a sinuosidade em que se perdem os olhos masculinos, pouco mais mudara. O que não me permitiu reconhecê-la, porém, não foram suas ancas ou seios, nem o crescer de seu palmo e meio, mas a ausência da luz que antes alumiara as infindáveis manhãs de nosso antigo colégio.
Era tal qual um vagalume moribundo e, naqueles seus olhos fundos, podia ler eu estórias de privações e de castigos que a haviam esmorecido e, vez a vez, acossaram o brilho de estrela da menina amada até não ser mais que o último suspiro de uma vela que morresse na noite mais escura.
submitted by Scalira to desabafos [link] [comments]


2020.10.14 12:20 DonaBruxa_Deyse O Padre- Verídico

⚠️TEXTO LONGOOOOOO⚠️PREGUIÇOSOS PASSEM RETO⚠️
Eu contei um relato dias atrás de uma consulente de tarô. Depois desse relato, tenho recebido dezenas de relatos de pessoas contando suas experiências com Setealem. São relatos interessantíssimos e a maioria repleto de detalhes! Porém, essas pessoas, apesar de participarem de grupos como esse, sentem-se inseguras em compartilhar essas experiências devido ao modo hostil como muitos criticam e reagem, com medo de serem chamados de loucos e/ou mentirosos. Então coleguinhas, policiem-se e moderem as palavras nos comentários, tenham empatia com os que tem coragem de expor e que compartilham essas experiências. Se todos nós estamos nesse grupo é porque somos curiosos e nos interessamos pela temática. Estamos no mesmo barco e que essas histórias sejam recebidas com respeito, empatia, oportunidade para conspirarmos, trocarmos informações, etc... Não sejam cretinos!
Essa pessoa entrou em contato comigo e a abordagem foi direta, sem rodeios:
“Fui padre da Igreja Católica. Foram quatro anos de estudos de filosofia, três anos de teologia, dois anos de estágio pastoral e um ano de diaconato. Mas nenhum estudo me preparou para o que aconteceria!
Desde a infância, quando acompanhava a minha avo na missa dominical das 8 horas, soube que o Sacerdócio era minha missão. Minha avó faleceu dois dias antes da Celebração, Missa Eucarística de minha ordenação. Ela foi uma avó maravilhosa, amorosa, mãe zelosa, esposa virtuosa e fiel, devota! Mas nós familiares, mesmo amando-a, sabíamos da pessoa difícil, arrogante, preconceituosa que sempre fora. Minha mãe sempre nos contou das coisas horríveis que minha avó fora capaz de fazer em nome da família. Seus pais, meus bisavós, foram donos de fazendas de engenho e, inegavelmente, por décadas minha família se beneficiou do trabalho escravo, do uso da força, violência e poder para acumular bens e fortuna. Na cidade onde nasci, nosso sobrenome é sinônimo de tradição. Sempre senti um peso por carregar meu sobrenome. Sempre senti vergonha e pesar. Não sei explicar, mas desde que me entendi como gente e ouvia sobre nosso passado, quis ser diferente. Não poderia apagar o passado, compensar as pessoas que foram prejudicadas ou mortas por meus antepassados, mas eu posso evoluir. Para mim o sermão nas missas dominicais me fizeram acreditar que não havia coisa mais gloriosa, mais honrosa, mais nobre, que fazer parte da Igreja santa, católica, apostólica, romana, na qual me tornei membro de tão venerando corpo; que governava uma tão excelsa cabeça; que me imundava do Espírito divino, enfim, eu acreditei que o mesmo Pão dos Anjos me alimentaria nesse exílio terreno, até que eu pudesse descansar junto a Cristo nos céus. Resolvi que nada me daria maior felicidade que o Sacerdócio. Viveria pra amar o próximo, faria caridade, vivenciaria os ensinamentos de Jesus. Fiz da palavra bíblica do exemplo de Cristo, minha única verdade! Tudo o resto, blasfêmia. Minha mãe chorou durante todos os anos de seminarista. Sou o único filho. Para ela, eu ser católico era uma benção, nas padre, desperdício de vida!
Meu primeiro contato com o mundo paralelo foi no dia da minha celebração de ordenação! Enquanto, na sacristia da igreja, vestia meu paramento sacerdotal ( batina), comecei a sentir um mal estar, minha cabeça começou a girar. Respirei fundo, baixei os olhos e amarrava o cordão do franciscano na cintura, ouvi o som de um tambor. Estava preparado para aquele momento e sabia cada detalhe dos rituais que seguiriam! Tambor nenhum fazia parte dos ritos! Ao levantar o meu olhar, não estava mais na sacristia! Estava preparado para qualquer coisa naquele dia, jamais para aquilo! Eu estava literalmente no meio da rua de um lugar desconhecido! Não era possível porque estar ali ia contra tudo o que eu acreditava! Estava vestido com minha batina, numa rua, de uma cidade horrível! Tudo era sépia! Tudo era velho e tinha um odor fétido. Comecei a rezar e peguei o terço no bolso e vi surgir uma procissão! Eram pessoas diferente de qualquer ser humano que tinha visto antes. Todos eram polacos, louros, olhos amarelos e notei que os pés de nenhum deles tocavam o chão. No meio deles, minha avó amarela, loura, olhos amarelos como dos outros... mas ainda era minha avó! Ela disse: - Vai embora daqui agora! Vai embora porque não é o seu lugar! Eu rezava e pensava que era o demônio me tentando! Ouvi o tambor bater sete vezes e muito alto, seguido de um relâmpago. Ouvi alguém chamar meu nome e estava outra vez na sacristia! Desatei chorar e fui levado por um Sacerdote a uma sala onde contei o ocorrido. Ouvi um sermão, ele disse que eu era um homem de pouca fé, que bai deveria repetir aquilo pois blasfemaria e que era o demônio me provando. Resolvi calar. Depois daquilo, não me concentrei mais e durante toda a minha ordenação, vão ouvi uma palavra mais. Tempos depois, fui designado paroco de uma igreja em Campinas, São Paulo. Mas eu não era mais o mesmo, minha fé foi abalada e comecei a acreditar que existiam outras verdades. Comecei a procurar e pesquisar até chegar aos relatos de Setealem. Foi num domingo, minutos antes da missa que celebraria, dentro da sacristia da minha paróquia, enquanto vestia novamente minha batina, que acordei em Setealem.
Quando abri os olhos, estava na cidade de cor sépia do lado da minha avó! Foi ela que me mostrou toda a cidade. Foi ela que me apresentou o amor da minha vida. Foi ela que me explicou que aquela cidade era o meio. O meio é a fração de tempo entre o passado, presente e futuro. Ela contou que estava ali por merecimento. Não era castigo, era consciência! Ela me e mostrou que a vida naquele lugar não era bom nem ruim, apenas era. Contou que a Terra era desejada por ter regalias mas que não sabemos aproveitar! Contou que os que vivem ali, invejam nós que vivemos aqui. Contou que eles ficam furiosos quando atravessamos para o paralelo deles e que se sentem vigiaria por nós! Contou que eles são vigiados e que a regra é não fazer barulho para que nos não os escutemos! Contou que ” missionários escolhidos” daquele paralelo, podem se misturar conosco nosse plano. Foi ela que me prendeu por anos naquele lugar.
La, minha avó morava num casebre miserável. Faltava tudo! Ela se alimentava de restos e muitas vezes tinha vermes. A água era grossa, cheirava lama podre. Durante todo o tempo que estive ali, senti fome e sede. Ela me proibiu de tocar nas coisas, comer e beber. Segundo ela, seria veneno pra mim e esse veneno me impediria de voltar pra cá ( terra) quando fosse hora! Só soube que estive ausente por anos. Pra mim, apenas tinha estado lá por um longo dia... o dia que não acabava nunca! Minha avó também disse que todo ser desse plano, há esteve naquele outro. Contou ela que nem todos tem percepção e que nossos sonhos nunca são apenas sonhos.Todo mundo já esteve lá! Todo mundo! Foi um dia tão longo, que deu tempo de conhecer meu futuro esposo lá. Num determinado momento, minha avó sumiu. Quando voltou, estava em companhia de um rapaz tão estranho quanto os outros moradores de lá. Minha avó disse o nome dele e pediu que eu memorizasse aquele rosto. Disse que aguardavam um hospedeiro!Foi o tempo da minha avó dizer isso e eu piscar, o rapaz sumiu diante dos meus olhos! Ela pediu que eu entregasse o terço que estava no meu bolso e me entregou uma espécie de relicário feito de um tipo madeira. Me acompanhou até uma estação de trem. Essa estação era no meio do nada. Os lugares naquele paralelo, aparecem e desaparecem em frente os nossos olhos. Quando relembro essa segunda vez que estive lá, as vezes parece que andei, outras que era teletransportado de um lugar ao outro. Parecido com sonhos que num momento estamos num lugar, ora em outro. Não houve despedida! Pisquei e estava dentro do trem! Pisquei e acordei numa cama de hospital. Soube que estive em coma por cinco anos no hospital da PUCC. Minha mãe esteve ao meu lado todos esses anos. Eu nunca tive coragem de contar isso. Absolutamente ninguém soube disso até hoje. Depois de voltar, não senti vontade de continuar o Sacerdócio. Ainda fiquei duas semanas no hospital até a alta. No dia da minha alta, as enfermeiras estavam agitadas. Era uma correria, cochichos, risadinhas porque naquele mesmo dia tinha sido apresentado o novo neurocirurgião que tinha assumido a equipe. Eu estava tão absorto nos meus pensamentos e em como eu encararia minha vida. Era difícil encarar que eu perderá minha fé e crenças. Minha mãe chegou, ajudou a me vestir, calçar sapatos, pentear o cabelo. Minha mãe pendurou um relicário de madeira no meu pescoço. Tinha a uma foto amarelada de vovó dentro dele. Segundo ela, tinha sido de vovó e que rezou segurando ele na mão. Nesses 5 anos, pedia pra vovó, ampara-lá na fé e que intercedesse pela minha saúde de onde quer que estivesse. Eu estava magérrimo, pele amarelada também. Quando me olhei no espelho, vão me reconheci. Queria sair dali, dar um novo rumo para a minha vida. Esperávamos passar o tal neuro e sua junta médica para última avaliação.
Ele entrou no quarto, e então soube que não tinha estado em coma. O médico recém chegado, era o rapaz que minha avó me apresentou. Ele também tinha pendurado um relicário de madeira no pescoço idêntico ao meu. Sorrimos. Larguei a batina porque entendi que EXISTE UM SÓ PARA TODOS! Casamos há 3 anos. Juntos há 10 nesse plano. Moramos em Brasília. Aguardando nosso filho( adotamos) chegar. Militante da causa LGBTQQICAPF2K+. Minha avó não está mais no mundo paralelo. Evoluiu! Voltamos algumas vezes pra visitar a família dele no plano paralelo!
submitted by DonaBruxa_Deyse to u/DonaBruxa_Deyse [link] [comments]


2020.10.14 12:19 DonaBruxa_Deyse Sobrenatural-Verídico

Preciso dividir isso com vocês! Relato de uma consulente que me procurou desesperada por ajuda espiritual. E irmãos de fé, me ajudem porque nunca lidei com isso não!
Eu ouvi todo o relato. Quanto mais ela contava, mais certeza eu tinha de que se tratava de SETEALEM!
Ela relatou que em maio, devido a pandemia e quarentena, sua família resolveu que seria melhor todos ficarem juntos no sítio dos pais dela, em Sorocaba. Disse que desde o momento que fazia a mala deles, uma sensação de que algo daria errado, pesava. Foi na gaveta do seu filho, que encontrou uma camiseta e um shorts que nunca, jamais vira antes. As roupas estavam sujas, eram velhas, encardidas e cheiravam mal. Nunca teve diarista em casa. Como poderiam aquelas roupas estarem ali? Perguntou pro pessoal e ninguém prestou atenção. Ninguém nunca presta. Naquele dia não estava a fim de começar a gritar tão cedo. Mas estavam todos estressados com os preparativos e ela sozinha pra fazer tudo, deixou pra lá! Enfiou as roupas numa sacola de mercado e deixou no chão, do lado da máquina de lavar na área de serviço. Ela, marido, a filha de 18 anos e seu filho de 5, saíram de São Paulo e seguiram pro interior. Durante a viagem, pra chegar no sítio, passam por uma estrada de terra. Seu filho de 5 anos disse algo que naquele momento não fez sentido algum: - Nem acredito, mãe, que estamos perto da casa do meu melhor amigo que ainda vou conhecer! Eles não deram atenção alguma pro menino. Minutos depois, ouviram um barulho como se tivessem passado por cima de algo na estrada e um dos pneus explodiu. O marido dela controlou o volante e estacionaram. Ele desceu e confirmou que o pneu tinha estourado. Ela pegou o celular pra avisar seus pais sobre o acontecido e que por isso atrasariam. Notou que não tinha sinal de rede em nenhum dos celulares. Não tinha no dela, não tinha no do marido, nem no da filha! Marido trocava o pneu e xingava porque ele nem queria ficar com a família dela! Nisso ela se virou pra trás porque percebeu que o menino estava acenando pro nada todo feliz! Sua filha começou a implicar com o irmão e disse: - Olha mãe, moleque doido! Começou já com as graças. Nisso o menino responde: - É o meu amigo! O amigo que vou conhecer. Olha mãe! Olhaaaa lá! Ela estava cansada, com fome, vontade de fazer xixi, sede e aquilo deixou ela mais puta ainda e nem se deu ao trabalho de responder os filhos. Pneu trocado, seguiram viagem na força do ódio. Uns quilômetros a frente, passaram por um posto de conveniência. Nunca vira esse posto antes. Não era a primeira vez que fazia aquele caminho. O sítio era da família desde que os avós dela casaram. Sua mãe nasceu ali. Ela foi criada ali e fez aquele caminho milhares de vezes desde bebê! Era um posto velho. Tão depredado que parecia estar desativado. Desativado se não fossem uns carros antigos também caindo aos pedaços estacionados em frente. Quem coleciona carro caindo aos pedaços?!?!? Comentou com o marido: - Meu amor, e esse posto que nunca vi na vida! Você viu?! O marido já exausto, responde: - Não prestei atenção! Mas se não viu antes é porque você é cega. Nem olha com essa cara porque você responde pra mim desse jeitinho sempre! Ela respirou fundo pra não começar uma briga ali... faltava tão pouco...perguntaria pro pai dela quando chegasse lá! E foi a primeira coisa que perguntou pro pai depois de abraçá-lo. O pai dela achou engraçado e respondeu que depois di galpão da firma tinha mais nada até chegar no sítio não. Tinha sim! Tinha porque ela viu! Mas também resolveu deixar pra lá esse assunto. A primeira semana foi uma maravilha! No final de semana seguinte, a irmã dela chegou com a família. A avó cozinha umas delícias. Os homens faziam churrasco e tomavam cerveja à vontade. O marido que não queria vir era o que mais aproveitada! A criançada brincava, pulava na piscina, corria livre, dormia e acordava tarde. Mas ela notava o filho dela meio aéreo, mais calado e não estava interagindo com os primos. Algumas vezes teve a impressão de ouvi-lo conversando/ cochichando com alguém mas quando se aproximava, ele se calava. Num sábado, resolveram fazer lasanha, mas faltava queijo, presunto, carne moída pro molho e extrato de tomate. Alguém teria que ir no mercado e pela primeira vez na vida, a filha dela se dispôs a buscar. A menina era habilitada há meses, dirigia por São Paulo, ia e voltava pra faculdade sozinha com o carro da minha cliente. E que perigo teria naquela estrada de terra, pouco ou nenhum movimento e ela iria até o supermercado mais próximo. O filho dela e os sobrinhos quiseram ir também e providenciaram suas máscaras e correram pro carro. Entregou uma nota de 100 reais pra sua filha fazer as compras. Ela me contou chorando que sua consciência pesa por ter pensado e falado pra irmã: - Graças a Deus, pelo menos por uma hora, teremos paz sem essas crianças gritando e correndo! A gente merece um pouco de silêncio sem filho gritando por mãe. A irmã dela riu e concordou.
Segundo ela, olhou no relógio na parede da cozinha, e faltava uns minutos pro meio dia.
O desespero estava pra começar!
Tinha passado uma hora desde a ida e nada dos sobrinhos e dos filhos voltarem. Resolveu ligar pro celular da filha e caia direto na caixa postal! Ligou dezenas de outras vezes e nada. Gritou o marido que estava na churrasqueira. Ele, o cunhado e o pai dela estavam bebendo desde às 8 da manhã. Quando ela relatou sua preocupação, eles não levaram a sério. Segundo os homens, as crianças logo estariam de volta...e foram beber mais. O coração dela apertou e lembrou do posto que vira na estrada, do filho acenando pro nada... não fazia sentindo, mas só pensava nisso. Tentou ligar mais vezes e como nada de atenderem, ela e a irmã pegaram outro carro e foram atrás dos filhos. De longe viram o carro que a filha dirigia encostado na estrada. Ela sentiu alívio por alguns segundos porque quando se aproximaram, o carro estava vazio. A irmã dela até aquele minuto parecia estar muito preocupada não. Porém, desceu do carro chorando. O carro estava parado sentido cidade ou seja, eles nem chegaram ao supermercado. Não tinha sinal deles! Sumiram! O celular não tinha rede, sem serviço e não tinha como pedir socorro ou ligar pra família. As pernas dela tremeram e caiu ajoelhada na terra rezando, pedindo a Deus por ajuda. Nessa hora, ela só lembrava que tinha sido ali que vira o posto de conveniência. Meio ao choro e grito contou pra irmã que vira o tal posto no caminho pro sítio. A irmã dela sem entender já gritou que nunca teve posto ali merda nenhuma. Minha cliente resolveu que iria encontrar o posto porque tinha merda de posto sim! O carro era da irmã dela que respondeu no gritou que não sairia de perto do carro, caso os filhos voltassem. Alguém tinha que avisar a família que estacavam em casa sem saber de nada! Entre gritos e mais choro, resolveram que a irmã voltaria pra avisar os outros e do sítio, ligaria pra polícia. Minha cliente esperaria no carro. Lógico que não conseguiu esperar e decidiu que procuraria por eles. Saiu com o carro que a filha dirigia. Dirigiu até o galpão da firma que tinha na estrada! Nada do posto. Fez o retorno, foi até o lugar que encontraram o carro abandonado e nada. Ela me contou soluçando que não era possível aquilo estar acontecendo. Desespero tinha atingido nível máximo! A irmã não voltava e a hora estava passando... e se ficasse noite?!?!? O que teria acontecido? Assalto? Sequestro? Nesse desespero fez o trecho até a firma, ida e volta, umas 5 vezes até cruzar com o carro da irmã. Vieram o marido, seu pai, cunhado e irmã. A avó ficou em casa, caso a polícia ou as crianças ligassem. Os homens bebados, ela e irmã histéricas! Ninguém se entendia. Depois de muita discussão quando tinham chegado à conclusão que o melhor era ir até a delegacia fazer um boletim, chega uma viatura com dois policiais. Ela tomou a frente e contou o ocorrido. Falou sobre ter visto por ali um posto de conveniência. Nessa hora os dois policiais se entreolharam. O marido dela emendou que ela era doida e que outra vez estava falando desse maldito posto. Um dos policiais, muito calmo contou que apesar de não existir nenhum posto naquele trecho, não era a primeira pessoa a relatar ter visto um. Sem contar muitos detalhes, falou que também não era a primeira, nem segunda vez que pessoas se perdiam e desapareciam naquela estrada! Os polícias pediram para que todos seguissem até a delegacia. Minha cliente e o marido, foram no carro encontrado na estrada e os outros, no carro da irmã. Na delegacia, um boletim de ocorrência foi feito. Mas todos os policiais ao ouvirem o relato, se entreolhavam de modo muito estranho. Só minha cliente notou. A polícia deveria esperar 24 horas após o desaparecimento pra iniciar as buscas! Um daqueles dois policiais que atenderam a ocorrência na estrada, disse baixinho pra minha cliente ficar calma que as crianças apareceriam. Porque todos tinham voltado de lá! Ainda na delegacia, ligavam de minuto a minuto pro sítio com esperança de receber boas notícias. Saíram da delegacia, por volta das 23 horas, ligaram mais uma vez pro sítio no caminho de volta. Nada! Ela e o marido não trocaram uma palavra...ambos choravam! Porém, ao estacionar o carro, ouviram as vozes das crianças e da avó. Ela sentiu um alívio e entrou na casa, agradecendo a Deus. Quando correu pra abraçar os filhos, paralisou. Impossível! Era impossível seu filho estar vestindo o shorts e a camiseta que ela tinha tirado da gaveta e deixado dentro de uma sacola deixada no chão da lavanderia, na sua casa em São Paulo! NÃO ERA POSSÍVEL!
Relato das crianças e da filha:
A filha contou que enquanto dirigia pro supermercado, viu o posto de conveniência, seu irmão, o filho da minha cliente de 5 anos, ao ver o tal lugar pediu pra parar ali! Ele pediu tanto, apelou usando “ por favorzinho” que convenceu a irmã a parar pra comprar tudo ali mesmo. O estacionamento da tal conveniência estava lotado de carros antigos. Seria melhor deixar o carro na estrada. Pensou que fosse um desses encontros de colecionadores de carros antigos. Nunca tinha visto nenhum daqueles modelos antes! A menina ainda relatou ter pensado em como alguém compraria ou colecionaria “uns trem” tão mal cuidado, caindo aos pedaços?!?!?!?!? Mas que só poderia ser coisa de”véi” mesmo. Entraram todos no estabelecimento e “bizarro” foi o termo usado ( pela filha dela) pra descrever o local e as pessoas! -Era um povo feio, tudo com pele amarela de doente, dentes podres, os homens e as sobrancelhas grossas e unidas... inclusive a de todas as mulheres! Até as crianças eram horrorosas... Crianças tinha fisionomia de velhas e sofridas! O lugar fedia! Fedia podre! Uma barulheira, todo mundo berrando, tocava uma música que ela não conseguia explicar. Era um ruído que estava grudado na cabeça dela. A música era um xiado fino, alto que dava a impressão de estar tocando dentro do corpo dela. A música machucava o seu pensamento. Era uma penumbra... uma luz que não iluminava e era difícil enxergar as coisas... ela tinha que forçar os olhos, piscar algumas vezes até distinguir os objetos ao redor. Objetos que nunca vira! Não dava pra imaginar a utilidade deles! Eram muitos corredores e prateleiras cheias de comida e coisas sem sentido! Enquanto se concentrava pra lembrar tudo que precisava comprar pra lasanha, a música dentro dela apagava as palavras. Ela fechou os olhos e forçou a memória... Talvez a força do seu pensar fez a música parar. Fez as pessoas pararam de gritar! Sentiu as maozinhas dos seus primos agarrarem sua mão e sua roupa. Ela sabia que estava chorando. Disse: - Mãeeeeee, fiquei com medo de abrir os olhos porque eu senti o peso daquele povo bizarro encarando a gente. Só abri porque ouvi um deles( referindo a um dos primos) dizer meu nome! Quando abri os olhos, meu irmão tinha desaparecido. Ele tinha sumidoooooo!!! Mãeeeeee, ele sumiu e não foi culpa minha... foi um segundo! As luzes começaram a piscar. Era uma luz sem cor, parecia que estávamos dentro de uma das fotografias daqueles binóculos da vovó! E as pessoas apontavam o dedo na nossa direção, gritando...eles gritavam sem mexer a boca: INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI! Eu olhei pra uma senhora que estava bem próxima de nós e pedi ajuda. Contei que precisava comprar o que a mae nos pedira ... perguntei se ela tinha visto pra onde fora meu irmão. Mostrei o dinheiro! Ela riu!Quando ela abriu a boca sem nenhum dente, senti um bafo tão podre que o vômito quase saiu! Os primos estavam chorando, tremendo agarrados em mim! Comecei a chamar ele ( irmão/filho 5 anos)... e os bizarros, outra vez começaram : INTRUSOS, SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! SAIAM DAQUI! VOCÊS NÃO PODEM FICAR AQUI, SAIAM DAQUI!
Eu não conseguia me mexer. Não dava pra andar!
E a música entrou em mim outra vez, mais alta e barulhenta! Minha cabeça doía e achei que desmaiaria. Nunca desmaiei... nas sabia que estava pra cair dura no chão! De repente, mas um de repente que pareceu horas, meu irmão aparece de mãos dadas com um bizarro tamanho criança. Ele veio dizendo que era o amigo que ele disse que conheceria aquele dia no carro no futuro. O bizarro chegou perto da gente dizendo que também me conhecia! Que já tinha falado que ( o filho de 5 anos) deveria fazer comigo o que (ele, bizarro!) tinha feito com a irmã dele! Eu puxei ele( apontou pro irmão) pra perto da gente! Mãe, ele não queria vir com a gente! Disse que ficaria com o amigo lá. Aí eu fiquei louca, fui arrastando todo mundo pra fora! O bizarro amigo dele, disse pra eu não falar alto porque “O ALGUEM”poderia acordar e pegar a gente pra ele! Eu mirei o rumo da porta, comecei a correr, as crianças também e o bizarro atrás da gente. Tinha escurecido. Era noite! Tinha neblina, um frio que esfriou meus ossos. Daí a gente correu muito! A gente corria e não chegava nunca até a estrada! Mas quando conseguimos, eu olhei, eu pisquei pra ver melhor e o carro tinha sumido. Sumidooooooo! O carro não estava mais lá! Sentamos no meio fio, meu irmão chorando porque queria voltar pra ficar com o amigo, os primos pedindo pela tia! Eles tremiam e batiam os dentes de frio! Entrei em pânico,porque como eu explicaria que perdi o carro, não comprei as coisas! Foi aí, que vi você mamãe, passar na nossa frente dirigindo nosso carro. Gritamos, corremos atrás de você, acenamos e você não olhou! Você não ouviu a gente gritar! Maeeeeee, você foi e voltou, foi e voltou, foi e voltou! Depois passou a tia em outro carro com o pai,o vovô e o tio! Mãe e tia, vocês nos ignoraram na beira da estrada. E aquela peste do moleque bizarro, de longe morrendo de rir da gente e gritando BEM FEITOOOOO! Como se não bastasse tudo isso, começou a ventar forte e a tempestade começou a cair. Ficou mais frio e a gente não conseguia respirar de tanta água que caia. A solução foi vir a pé, estrada escura, com chuva...Andamos até aqui!
OS SOBRINHOS:
-A gente ficou com muito medo! - Eu fiquei com tanto, tanto medo que fiz xixi na calça. -Eram monstros! - Eles queriam comer a gente! -Você não viu?!?!? Eles iriam picar a gente pra vender como carne moída! -Sera?!? E choraram muito. Ainda não conseguem dormir sozinhos em seus quartos. A luz tem que ficar acesa! Quando dormem, têm pesadelos e acordam aos berros!
O FILHO DE 5 ANOS:
-Mãe, foi legal. Sabia que meu amigo morava ali? Eu disse! Ele me visitava as vezes nos sonhos. Mesmo quando eu sonhava acordado e de dia! Hoje, a gente brincou de esconde-esconde e pega-pega!Fui na casa dele e comi comida lá! Sujei minha roupa de sangue e a mãe dele me emprestou essa. Essa roupa é do meu amiguinho! Ela falou que vai lavar a minha e depois trazer aqui pra você! Me convidaram pra ir lá outras vezes, passar as férias. Falei que pediria pra mamãe e pro meu papai! Foi super legal e meu amigo disse que já tinha me visto lá no futuro muitas vezes e que morarei com eles pra sempre! Pra sempre é muito tempo? Posso, mamãe? Deixa, por favorzinho?Por favorzinho? Eu convidei ele pra vir aqui amanhã brincar comigo, tá? Se você falar com a mãe dele, ela poderia deixar ele dormir aqui, né?!?!? Deixa, por favorzinho... diz que sim, mamãe!
Voltaram TODOS PRAS SUAS CASAS EM SÃO PAULO no dia seguinte, assim que o dia clareou. Os pais dela colocaram o sítio à venda e moram com ela, por enquanto. Minha cliente acredita que existe um lugar além. Ela tem certeza absoluta e provas disso! Está apavorada. Seu filho fala, brinca, canta, dá gargalhadas e afirma que o amigo está ao lado dele! Assim que entrou na sua casa em SP, correu até a lavanderia. Ela encontrou as roupas que seu filho usava no dia do sumiço. Estavam dentro da sacola, ao lado da máquina de lavar!
submitted by DonaBruxa_Deyse to u/DonaBruxa_Deyse [link] [comments]


2020.10.08 10:18 90DuduYKAB Fire Drill

I never fit into any category, always deemed an outcast Eu nunca me encaixo em nenhuma categoria, sempre sou a diferentona Since I was in Sunday school and all the cool kids said I was weird Desde que eu fazia catequese e as crianças legais diziam que eu era estranha It's exactly the same, they say É sempre assim, eles dizem Why do you dress that way? Why do you act that way? Porque você se veste assim? Porque você age dessa maneira? Why don't you dress like me? Porque você não se veste como eu? So is that what you really wanna say to me? Então é isso que você realmente quer me dizer? You playin' games with me Você está brincando comigo Tellin' you're for my kind, still you abandon me Me dizendo que me apoia, e ainda assim me abandona Calling me words I'm not paintin' a picture that's false Me chamando de coisas que não sou, me pintando nas piores cores You must not know my heart, but I know it isn't your fault Você não deve conhecer meu coração, mas eu sei que não é sua culpa You live in a world and you clutch, you don't get out very much Você vive em um mundo e se prende a ele, você não sai muitas vezes Livin' in the fake world, full of facades and chaotic behavior Vivendo em um mundo falso, cheio de fachadas e comportamento caótico You pull the lever for fun, yell fire, then you just run Você puxa a alavanca por diversão, você faz pegar fogo e depois sai correndo Fire drill, what would happen if a nuke just hit Simulação de incêndio, o que aconteceria se uma bomba explodisse agora? Would you say bye to your family? Would you post about it? Você diria adeus à sua família? Você faria uma postagem sobre isso na internet? Fire drill, if it all went up in flames one day Simulação de incêndio, se um dia tudo pegasse fogo Would you give your mom a hug before your house burned away? Você daria um abraço na sua mãe antes da sua casa ficar completamente em chamas? It kills, I wish the best for you Isso mata, eu te desejo o melhor And you think I ignore you too, but E você acha que eu te ignoro também, mas Really, I'm tryna live my own life Na verdade, estou tentando viver minha própria vida Be present more, and so should you, it's alright to Ser mais presente e você deveria tentar fazer o mesmo, está tudo bem Cryin' inside Chorando por dentro 'Cause nothin' I ever say comes alright Porque nada que eu digo é interpretado da forma certa We're on the same side Nós estamos do mesmo lado If I'm honest with you, you just run and hide Se eu for honesta com você, apenas corra e se esconda I'm bad at public speaking Eu sou péssima em falar em público But I'm speaking now so hear me out (shut up) Mas agora que estou falando, me ouça (cale a boca) I personally believe that everyone is fully capable Pessoalmente, eu acredito que todos são capazes Of more than what they're doing, all of the bullying De fazer mais do que estão fazendo, todo esse bullying All of the screwing around with people they don't even really know, oh Todas essas transas casuais com pessoas que eles nem conhecem Eatin' a hate soufflé, and an angry bit of sorbet Comendo um suflê de ódio e um pouco de sorbet de raiva All 'cause you were bored one day Tudo porque um dia você estava entediada Losing your wits and your grace Perdendo seu juízo e sua sepultura Fire drill, what would happen if a nuke just hit Simulação de incêndio, o que aconteceria se uma bomba explodisse agora? Would you stay bye to your family? Would you post about it? Você diria adeus à sua família? Você faria uma postagem sobre isso na internet? Fire drill, if it all went up in flames one day Simulação de incêndio, se um dia tudo pegasse fogo Would you give your mom a hug before your house burned away? Você daria um abraço na sua mãe antes da sua casa ficar completamente em chamas? It kills, I wish the best for you Isso mata, eu te desejo o melhor And you think I ignore you too, but E você acha que eu te ignoro também, mas Really, I'm tryna live my own life Na verdade, estou tentando viver minha própria vida Be present more, and so should you, it's alright to Ser mais presente e você deveria tentar fazer o mesmo, está tudo bem I'm not the government Eu não sou o governo I'm not the fucked up men Eu não sou esses homens fodidos I'm not a part of anything that is hateful Eu não faço parte de nada que seja odioso Love is seeping out my pores, I don't hold anger anymore O amor exala pelos meus poros, eu não guardo mais raiva, nem rancor Even for people who hurt and betrayed me (okay) Até mesmo das pessoas que me machucaram e me traíram (está tudo bem) I'm not the government Eu não sou o governo I'm not the fucked up men (gross) Eu não sou esses homens fodidos (eca, que nojo) I'm not a part of anything that is hateful Eu não faço parte de nada que seja odioso Love is seeping out my pores, I don't hold anger anymore O amor exala pelos meus poros, eu não guardo mais raiva, nem rancor Even for people who hurt and betrayed me Até mesmo das pessoas que me machucaram e me traíram Fire drill, what would happen if a nuke just hit? Simulação de incêndio, o que aconteceria se uma bomba explodisse agora? Would you say bye to your family? Would you post about it? Você diria adeus à sua família? Você faria uma postagem sobre isso na internet? Fire drill, if it all went up in flames one day Simulação de incêndio, se um dia tudo pegasse fogo Would you give your mom a hug before your house burned away? Você daria um abraço na sua mãe antes da sua casa ficar completamente em chamas? It kills, I wish the best for you Isso mata, eu te desejo o melhor And you think I ignore you too, but E você acha que eu te ignoro também, mas Really, I'm tryna live my own life Na verdade, estou tentando viver minha própria vida Be present more, and so should you, it's alright to Ser mais presente e você deveria tentar fazer o mesmo, está tudo bem I'm getting out of here Estou caindo fora daqui
submitted by 90DuduYKAB to G0ularte [link] [comments]


2020.10.01 22:53 nicosomma Mix de Quinta: Epic Trance - Com um pequeno comentário sobre o gênero

Boa quinta a todos!
Hoje trago um novo mix de Trance, na sua forma de "Epic Trance", ou como também o chamam: Anthem trance, uplifting trance, etc. E além de deixar o link e esperar que gostem, queria deixar um pouco de informação sobre esse gênero que tanto gosto, mas que fica meio caminho andado porque muita gente não conhece, e muitos dedicados à eletrônica lamentam ser recente "comercialização". (LINK NO FINAL SE VOCÊ NÃO QUER LER)
O que é Trance?
Trance é um gênero dentro da música eletrônica, surgido no início dos anos 90, influenciado por vários outros gêneros: house, pop, techno, trilhas sonoras e música clássica. Recebe esse nome pela "emoção" que gera nos ouvintes, que atinge com suas peculiaridades musicais: High BPM (batidas por minuto): é uma música base "rápida", e uma forma quase "geométrica" ​​onde a tensão é aumentada musical e depois lançado em 1 ou 2 "drops", que costumam ter elementos melódicos intensos e particularmente cativantes.
Por que não é tao amado?
Trance recebe pouco amor, embora muitos ouvintes. É um dos gêneros mais fortes na cena comercial, nos grandes palcos, na TV e no cinema. Mas isso fez com que o gênero fosse acusado de ser "comercial" nos últimos anos, e de não ser tão popular entre os ouvintes de música eletrônica. Por outro lado, seus altos bpm e longa duração, fazem com que não seja a música típica que mais tocamos para ir para o trabalho, ou se canse um pouco se você não está "com disposição" para o Trance.
E o Trance edificante? O uplifting trance é um subgênero, onde a característica de buscar emoções através da melodia é particularmente exaltada, com grandes construções e enormes quedas, muitas delas com elementos épicos (daí sua outra nomenclatura) ou notas que caracteristicamente provocam euforia.
Algo mais?
Sim, para dizer que Trance, como muitos outros gêneros, é música para ouvir com paciência e deixar ir. Brinque do início e saiba que há uma jornada pela frente, onde você vai aprender uma espécie de “história” que desperta emoções. Não pode ser cortado, e é em vão avançar no assunto porque você vai ouvir algo descontextualizado, já que Trance é muito sobre construir uma subida, LEVAR-NOS PARA TRANCAR. (Sem a menor intenção de ofender) Você colocou Tusa, ou Hawaii, e ouviu a importância da música em 30 segundos, no refrão. Exploração do Espaço (como já dei o nome antes (minuto 06:35 do Mix), não cabe nisso ... você tem que ouvir tudo ... entre no espaço, e deixe-se ser catapultado para o infinito.

Agora sim, o de sempre: espero que gostem do post, do vídeo, e deixem seu apoio se quiserem! Música, se não puder ser compartilhada, é um pouco menos.
Boa quinta.
Epic Trance Mix
submitted by nicosomma to brasil [link] [comments]


2020.09.30 21:06 pla-to Escritor a beira do colapso

Olá, Brasil
hoje venho lhes apresentar meu dilema. Gostaria de saber se os senhores podem me auxiliar, pedindo desculpas antes mesmo de começar a me explicar, tendo em vista o tamanho do post que abaixo segue. Para quem possuir a paciência e a resignação de ler até o final, só me faz possível agradecer e lhe estender um virtual e fraternal abraço.
tl;dr>! sou bipolar e gosto de escrever, não tenho um puto no bolso pq anos de estudos de filosofia e literatura me tornaram incapaz de conviver de maneira adequada nessa sociedade doente, peço que avaliem meu trabalho para que eu saiba se há futuro para mim na escrita e, também, que me ajudem com conselhos profissionais, doações ou de qualquer outra forma para que eu possa sair da cidade em que resido e busque um lar em São Paulo.!<
Vamos lá:
Me chamo Dillon Hagar (meu pseudônimo literário) e tenho ~30 anos. Sou formado em direito e administração com pós em direito penal e processual penal, não que isso me seja muito relevante sobre quem sou, acredito estar mais relacionado com minha história.
Venho de uma família brasileira típica: meu pai e minha mãe são pessoas honestas que sempre trabalharam (muito) para buscar oferecer o melhor para meu irmão e eu. Apesar da extrema formalidade que compele o viver dos dois, sei por fato e história o quanto eles nos amam. Meu pai sempre foi um cara absurdamente estourado e - até recentemente - acreditei que isso era apenas seu jeito de ser, afinal o cara já engoliu alguns sapos da vida (principalmente de sua falecida mãe).
Talvez pelo fato de ser tão estourado, permiti por muito tempo que minhas escolhas fossem feitas por mim, afrontar seus nervosismos só me gerava ainda mais ansiedade. Sempre me foi difícil o necessário pisar em ovos com ele, já que somos pessoas absolutamente distintas. Seu ideal de justiça é através da imposição da violência enquanto sou apenas um advogado que valoriza o debate, defende as garantias e direitos individuais e conhece um pouco das mazelas do nosso maravilhoso Brasil.
Fiz uma faculdade (duas, se prezar pela especificidade) que me habilitaram em uma profissão que não tinha e nem tenho a menor intenção de exercer. Sou advogado inscrito na OAB/SP, porém tudo que gostaria de fazer é rasgar minha carteira e escrever... Mas tudo bem, quem não é advogado hoje, não é mesmo?! Está ai a primeira vaidade formal que meus pais têm sobre mim que não faço questão.
Tenho um irmão mais velho (programador) que, com muito trabalho e talento, conquistou seu lugar ao sol nesse caótico mundo e foi morar em outro país, longe do julgamento dos velhos.
Para o caçula, restou apenas buscar se adequar a sociedade de uma cidade do interior paulista (~180k habitantes, ~450km da capital) e tentar ganhar algum dinheiro, porém, como fazemos isso quando não há oportunidades e se é um desarticulado?
Aos melhores empregos, não possuo a experiência. Para os demais, sou mais qualificado do que deveria. Sou um monstro em pele de homem, vagando por uma cidade que não parece ter o interesse de recepcionar o diferente.
Veja bem, estimado leitor. Sei o que sou e, acredito que aqui, seja o momento ideal para dizer o bestial ser que lhes redige este biográfico texto. Minha sinceridade é inata, não posso me mostrar por menos, não me sentiria bem comigo mesmo se não soubessem quem realmente é aquele que lhes pede algo.
Há alguns anos - graças a uma maravilhosa ex-namorada psicóloga - contrariado pelos meus pais que sempre viram saúde mental como tabu, decidi buscar ajuda profissional para tratar o vazio existencial que existe/ia dentro de meu peito. Após 6~8 anos de terapia e pelo menos outros 6 de clínica psiquiátrica, me deparei com o diagnóstico de um distúrbio de personalidade, "Transtorno de bipolaridade tipo 2", dizem os médicos. Como gosto de informalidades, prefiro chamar apenas de "meus demônios".
"Meus demônios" por muito tempo foram seres antagônicos dentro de mim, me aterrorizavam madrugadas a dentro, cochichando terríveis segredos em meus ouvidos. "Nunca serás o suficiente", "aqueles que dizem te amar riem de ti", "se tens medo de monstros olhe bem para dentro de si: tu és o monstro de quem teme". Nada legal, não?!
Medicação e terapia me tornaram inteiros, ao menos o suficiente para que tomasse as forças necessárias para meu "salto de fé", me fazendo no começo do ano finalmente deixar o ninho e buscar continuar somente com a força de minhas próprias pernas. A felicidade e a esperança, como bem sabem do ano de 2020, talvez tenham sido mal colocadas.
Surpreendentemente, mesmo com as coisas nesse plano de existência estarem indo em vertiginoso declínio, me encontro de certa forma bem e feliz comigo mesmo. "Meus demônios" agora são seres integrados em minha convivência e, com a força do estudo da filosofia (valeu Platão, estoicos, Nietzsche e demais) e outros literatos, descobri que não deveria mais temer minha patologia. Aprendi que ela sou eu e eu sou ela, essa "bipolaridade" que me faz navegar tão rapidamente entre humores é tão somente parte de quem sou. Se antes terapia e remédios eram minha cura, hoje digo com propriedade que aprendi ser minha própria mirtazapina. Se antes chorar de manhã e sorrir de tarde eram um problema, hoje aprecio o fato de lacrimejar enquanto escuto Avril Lavigne (que mulher!), mais tarde me abraçar ao som de Dream Theater e me odiar durante as madrugadas com Witchcraft ou Void King. Música, filmes e livros: ai está minha eterna companhia.
Pois bem, caríssimos estranhos. Sou o que sou e não lhes nego! Talvez esse seja o maior trunfo do anonimato: a possibilidade de ser quem quiser ser sem o prejuízo de julgamentos. Espero que minha sinceridade não lhes seja ofensiva ao decoro, para os que até aqui chegarem agradeço de coração sua insistência.
Ok, ok, divago! Vamos voltar ao ponto central e motivo desse texto: Não tenho amigos e não tenho emprego. O primeiro se deve ao fato de que sou quem sou: aprendi a duras verdades que em uma cidade deste tamanho existem mais pessoas dispostas a lhe julgar do que entender. Geralmente fogem quando confesso ser bipolar ou quando descobrem que não tenho medo de estar em contato com meus sentimentos. Que coisa não?! Em pensar que o que todos buscavam era verdadeira conexão e honestidade nas relações. Mas tudo bem, quem lhes redige sabe que sua intensidade pode ser exigente demais da disponibilidade dos outros, procuro não julgar os que me negam.
Já para falta de emprego talvez seja uma consequência lógica do primeiro: Em entrevistas de emprego costumo ser brutalmente honesto com meu empregador (afinal não é o que pedem?), ainda há pouco me perguntaram qual o meu salário ideal, quando respondi minha quantia, balançaram a cabeça em sinal negativo e disseram que era incompatível. Quem sabe não tenha sido o mais inteligente de minha parte dizer que "talvez o senhor não devesse fazer perguntas que não lhe agradam a resposta, achei que me perguntavas o que eu queria, não que buscasse adivinhações". Sim, sou este tipo de ser. Novamente perdão se lhes ofendo, reafirmo não ser minha intenção. Convido-lhes para uma reflexão, amado desconhecido: poderia eu, sendo quem sou, responder diferentemente?
Pois bem, venho fazendo o que todo jovem advogado têm feito: ofereço serviços jurídicos a preços módicos (que costumeiramente adapto aos meus clientes como forma de lhes ajudar). Sou criminalista mas somente atendo um seleto tipo de criminosos: àqueles a quem se não oferecido um serviço jurídico, muito provavelmente seriam engolidos pela máquina punitiva do Estado e integrados ainda mais a criminalidade. Não advogo para partidos criminosos e muito menos para criminosos de carreira, minha intenção é ajudar e não livrar-lhes de culpa. Talvez percebam aqui os motivos de porque não me restar dinheiro...
A fim de dedicar ainda mais honestidade à este texto, digo-lhes que tenho sim uma amiga. Uma sócia-comparsa, somos advogados e trabalhamos juntos coletando moedas enquanto tentamos ajudar, um pássaro de asa quebrada por vez.
Novamente divago, perdão. Ao ponto então: bem, como já devem tê-lo percebido, meu negócio é a escrita. Amo escrever, estudo latim por hobby, leio dostoievisk por esporte. Escrevo poemas, poesias, cartas, o que quiser. Dedico aos meus amigos e conhecidos aquilo que posso oferecer: no meu caso é o que coletei em meus 30 anos de existência. Você tem um problema amoroso? Ótimo! Sou teu brother e lhe farei uma carta ou um poema para que sares o coração, ó jovem apaixonado! Lhe incomoda a ansiedade saber que em breve terá que defender seu TCC? Maneiro, meu parceiro! Dedicarei à ti minha próxima carta sobre como deve se lembrar que em outra época, também já se apavoraste com o vestibular mas, ainda assim sobreviveste. Aproveito para lhes endereçar esta pergunta: Como se sentiriam se alguém lhes dedicasse uma carta sobre um problema que você confessou ter? Enfim, acho que pegaram o fio da meada.
Atendendo ao meu cósmico chamado, neste mês de setembro (setembro amarelo, lembro), silenciei meus demônios e passei a publicar alguns de meus textos, cartas e poemas em meu facebook particular. Alguns receberam mais likes que outros, alguns nenhum. Devo dizer que me dói saber que minha escrita às vezes não é apreciada.
Ao verem uma suculenta oportunidade, meus "dêmos" foram atiçados e voltaram a sussurrar. A minha vantagem é que neste momento, estando um bocado mais forte que antes, pensei que talvez não devesse eu ceder a régua que me mede à mão de pessoas que porventura não são verdadeiramente amigas. Improvável mas possível...
Sem dinheiro, sem perspectiva e sem companheiros, resto sozinho vivendo em um apartamento quase de favor com um conhecido. Gostaria de me mudar para São Paulo e conhecer todas aquelas pessoas estimulantes que pertencem àquele maravilhoso lugar, porém, como, se não disponho de condições nem para minha terapia e psiquiatra? Às vezes sinto que minto para as duas quando digo que estou bem, em ordem de fazer diminuir o número de sessões e medicamentos que preciso despender. Mando meu amor para as duas: não fosse por elas e os descontos absurdos que me proporcionam (na terapia, pago menos da metade; na psiquiatra, 1/3), talvez eu não estivesse me sentindo tão radiante. Não é lindo quando profissionais se despem de sua autoridade e tocam outro humano apenas como um humano?
Pois bem, venho até este maravilhoso sitio eletrônico e lhes peço: sejam meus juízes! Convido-lhes ao meu julgamento e de meu trabalho. Serei eu um bom escritor? Existe um ofício por trás destra escrita? Poderia eu tudo abandonar e - quem sabe finalmente - me encontrar alinhado e instrumentalizado pelo senhor universo através da bela e indescritível energia cósmica enquanto escrevo? Acredito que o tempo e os senhores podem me dizer...
Encaminho o link de meu tumblr (tumblr pra escritor br, ok, isso é ainda de se analisar), nele encontrarão algumas de minhas escritas publicadas nesse mês de setembro. Caso a paciência e a boa vontade acompanhem os senhores e senhoras, peço gentilmente que leiam, avaliem e sentenciem neste post o que considerarem pertinente. Caso estejam cansados de minha presença e queiram buscar apenas o poema mais lido, acredito que tenha sido este.
Para aqueles que realmente creem no valor de meu trabalho, também anexo um link para doação em paypal, onde aceito qualquer valor que puderem me ceder. Por ora, fica desabilitado a possibilidade de subscreverem em assinatura as doações, antes avaliarei se há futuro para mim nesse negócio de escrita.
E para você, que precisa de alguém que lhe escreva uma carta, um poema, uma poesia, ou que tenha, sabia ou queira um empregado escritoredatofaz tudo, sabia que recebo pedidos por email ( DillonHagarF ARROBA gmail PONTO com ) ou até mesmo através desse post ou direct.
Há aqueles que me chamarão de tolo por acreditar na bondade de estranhos na internet, devo lhes dizer que não me importo. Somente atendo minha própria natureza assim como acredito que cada um deve atender a própria. Estejam todos abençoados e em paz: aos que me ajudarem, mais, aos que me ignorarem, em igual proporção.
Por fim, agradeço todos que chegaram até aqui. Vocês são seres maravilhosos e o dom de sua curiosidade proporcionou a um desconhecido na internet um momento de felicidade. Um profundo e sincero obrigado! Sintam-se amados até mesmo por quem lhes desconhece!
submitted by pla-to to brasil [link] [comments]


2020.09.24 01:24 henrylore NAJIYU EP 10 - Por uma vida

Sh: *atira uma bola de fogo nos dois
H: *puxa a espada e reflete a bola de fogo nele
Sh: *desvia dando dois passos pra trás
Hmmm. Nada mal, mas-
°-°
H: *troca de lugar com uma pedra e aparece atrás dele
*chuta a cara dele
EMPTY CHUTE
Sh: *chega um pouco pra trás e coloca a mão no rosto
H: *cai no chão
*levanta e olha pra ele
*aponta a espada pra ele
se você vai apelar, a gente vai revidar apelando também
Sh: ate parece-
L: MAGIA DE AR: CORTE DA LÂMINA DOS QUATRO VENTOS
*vem quatro rajadas de ar e acertam o shibaru
L: heh eu achei que você fosse mais forte...
Sh: HUWAAAAAH
*levanta uma grande quantidade de fogo
*aponta a mão pro Lusk
FEITIÇO DE FOGO: BOLA DE FOGO DO DRAGÃO
L: *desvia mas por um triz
PUPUPUPU
qual foi mané????
H: *sai correndo em direção ao shibaru
Sh: *aponta mão pra ele e atira outra bola de fogo
H: *para, e se prepara igual um jogador de baseball
*rebate a bola de fogo com a espada
Sh: °^
*bola de fogo acerta ele e explode tudo
H: *chega perto do lusk
Luskeiros ele está perdendo muito
L: ele tomou um pau da própria magia...
**lusk sente algo no pe dele
???????
*olha pra baixo e vê uma camada de pedra cobrindo o pé dele
Sh: Feitiço de pedra: Armadilha de urso
H: ele te prendeu
*corre pra cima do shibaru
Sh: *atira uma bola de fogo no Henry
H: *se prepara pra rebater quando...
**bola de fogo desvia e acerta o Lusk
L: *se solta das pedras e cai no chão
au...
Sh: agora que o moleque com mana foi contido...
é a sua vez
*da um soco na cara do Henry
H: *dropa a espada e cai no chão
ugh-
*olha pro shibaru e vê
*a cara dele séria, com chamas atrás dele das coisas que ele queimou, na noite, escura mas então...
**vêem uma explosão vindo do meio da vila
*uma camada enorme de poeira surge sobre a vila inteira
Sh: que merda é essa..?
H: Duda! é a mesma magia do trem...
Sh: de que adianta SE VOCÊS VAO MORRER
*tenta dar um soco no Henry mas para
L: *da um soco na barriga dele
eu não vou desistir, seu saco de pancada indiano
Sh: maldito...
L: EU DISSE PRA CALAR A BOCA
*faz um redemoinho no chão e joga ele pra longe
na verdade eu não disse nada mas finjamos que eu disse algo ok?
H: blz ne mano
**olham pra cima
**veem bolas de fogo caindo
H: oh no
L: mano...
Sh: FEITIÇO DE FOGO : CHUVA DE METEOROS
**os dois caem no chão
Sh: *segura lusk pela gola da camisa
você se sente o espertão né?
L: *segurando a mão dele tentando se soltar
uuuggh
Sh: heh
*puxa a mão e faz um risco de fogo cortando o ombro do lusk
*joga lusk em cima de uns barris numa vendinha
H: Lu-
Sh: e voce se importa muito com os outros aparentemente né?
engraçado...
*joga lá junto com o Lusk
*faz um pássaro de fogo
Digam adeeeuss...
H: ei, Luskeiros
L: Faleis
H: eu tenho uma ideia
L: Faleis
H: *sussurra
Sh: FENIX RENASCIDA
*atira fênix
heh foram bons oponentes
L: *usa a lâmina do vento e corta a fenix em quatro partes
é só o que eu aguento brether, minha mana está quase 0 e eu estou muito machucado
H: relaxa, agora deixa comigo
*puxa espada e sai correndo em direção ao Shibaru
Sh: ...
*puxa espada
*ataca Henry
H: *defende com a mão esquerda a espada do shibaru
*ataca com a espada na costela dele e joga ele pra trás
Sh: UGH
..
seu...
H: ...
hehe
*com a mão sangrando
Sh: GRRR
SEU MERDINHA
*levanta um monte de labaredas de chama e atinge o Henry com um punho de fogo
PUNHO DO VULCÃO
H: *sai voando e cai nas armações do festival
Sh: *faz uma bola de fogo e atira no Lusk
L: *continua escondido
Sh: *vai em direção ao Henry
H: *levanta
você é forte hein?
Sh: heh, quero ver vocês explicarem isso depois pro reino...
H: como assim?
Sh: olha tudo o que eu fiz
e que vai cair na culpa de vocês
igual vocês sendo preso aquele dia AHAUSHUEEH
em breve eu não estarei mais aqui
eu estarei longe e ninguém mais vai me atingir
porque eu terei o poder...
H: hehe
AHHSSHSHSUSHSHUEHE
é verdade
Sh: por que está rindo?
H: porque voce é um idiota de quinta categoria
*puxa um fio e revela que no chão, próximo ao pé do Shibaru, tem um microfone (praticamente a única coisa eletrônica desse mundo), e a voz dele ecoa por toda a cidade
Sh: ...
s-seu....
**luz do castelo acende
H: he-he....
*cai no chão lentamente
Sh: *faz uma enorme chama vermelha e monta um monte de bola de fogo
agora... EU VOU TE MATAR ANTES DE SER PRESO
*atira no Henry
FOGARÉU EM MASSACHUSETTS
**vem uma bomba de água e acerta a bola de fogo do Shibaru
Ne, P, Du: *param na frente do Shibaru
Sh: vocês....
Du: *segura o Henry antes dele cair no chão
*começa a usar feitiços de cura nele
Sh: O QUE FAZEM AQUI?
*puxa uma lança de fogo
Ne: é óbvio que o feitiço era da Duda, portanto ela acordou antes e acordou a gente também
P: e ai a gente veio aqui pra te socar por ter feito tudo isso
Sh: podem tentar se quiser
*atira a lança
VINGANÇA INFERNAL
P: *levanta um punho gigante de água e acerta ele contra o chão
PUNHO SAGRADO AQUÁTICO DO AMOR (em japonês é mais bonitinho acreditem)
Ne: *levanta uma pedra de gelo do chão pra jogar o shibaru longe
FEITIÇO DE GELO: ICEBERG
Sh: *vai contra a parede de uma casa
Ne: *bate a lança do lado dele e finca ela na parede
Olha só, eu posso até ter saído e ter de dado a liderança. Mas se eu voltar, EU sou a líder aqui, ok?
voce nao pode me dar ordens...
Sh: ughhh maldita...
??: Senhores??
**olham pra trás e veem o hb, o clocks e o gerbido
Hb: senhores?? o que houve?
Ne: ah, nada não meu caro guarda
*olha pro shibaru
só um fugitivo aqui
Cl: eu sinto muita mana aqui... mas essa destruição toda teve um autor
*todo mundo olha pro shibaru
Sh: grrrr
J: *cai do céu e pousa perfeitamente
já acabaram aí?
Gui: Opa, tudo bom?
P: ah então era ele que tava te seguindo
Gui: o nomad me disse um monte de coisa, eu achei daora e resolvi acreditar em vocês
Ne: entao... estamos livres?
Gb: voces provaram ser pessoal de grande coração então..
sim
L: AEEE CARAAAAACA
TAMO LIVRE
Ne e P: VOCE TA BEMM???!!!!
L: claramente meus caros, isto não passa de um arranhã-
*começa a cair lentamente
Ne: *segura o Lusk
Hb: *faz um tentáculo de água vindo da mão dele e segura o shibaru
Sh: ...
Ne: *da tchauzinho com a mão
P: henry... ele tá bem?
Du: o ferimento foi muito profundo, eu não posso fazer muita coisa
P: :(
Ne: o lusk nao ta tão machucado mas ele tá bem machucado
*com o lusk se segurando no ombro dela
P: o que a gente faz com ele????
Du: não sei...
Cl: vocês podem levar ele até a ay..
Ne: ay?
Cl: é uma nova pessoa que surgiu recentemente na vila, e a may reconhece ela pela grande capacidade de cura dela
Ne: ...
L: parece- interessante..
Cl: visitem ela antes de dar uma dormida, se pá ela ta na casa dela
P: onde fica?
Cl: na única torre da vila
vai lá depois
Gui, Hb, Cl: *saem andando pro castelo junto com o shibaru
J: ... vocês não tão esquecendo de nada?
Ne: °° O GAROTO
Du: *olha pra área e os olhos dela ficam rosas
... não sinto mana aqui
J: eu sinto a presença dele
*joga uma shuriken que voa até uma vendinha e derruba um pano que tava cobrindo ela
Gt: *caído no chão
J: *segura Guilt
hora da festinha!
**na casa da aynazz
Ne: *bate na porta
aloooo alguem aí?
??: *abre a porta
{uma pessoa bem baixinha, com cabelo branco e curto, o rosto parecido com o do lusk}
??: sim?
Ne: você é a ayyna não é?
Ay: sou
*olha pro lusk
MEE VOCE TA TERRIVEL
L: digamos que eu estive numa rinha de cavalos.
**um tempinho depois
Ay: *curando o Henry
esse corte não vai sarar completamente
*puxa braço do Henry e amarra uma atadura no pulso, entrelaçando nos dedos da mão
eu acho que isso deve durar
e o outro?
L: eu.
*senta e mostra o ombro
Ay: *cura Lusk
...
*sente algo familiar no Lusk
...
L: alo? você pode andar rápido com isso aí? eu tô com sooono
Ne: LUSK NAO APRESSA A MENINA
Ay: shhhh não façam barulho!
meus pais tao dormindo no quarto andar da torre
Ne, L, P, Du, J: QUARTO ANDAR??!
Ay: já falei pra ficarem quietos
H: *abre os olhos
hummmmm
*levanta o que rolo-
*olha pra mão toda atada
ah.
L: Brether nós conseguimos. Socamos o cara até ele esquecer o próprio nome
H: ai sim meu caro
mas onde estamos?
Ne: casa da aynazz, uma curandeira aqui da cidade
daora não?
H: hummmm
Ay: prontinho vocês tão curados
procurem não batalhar as 2 da manhã tá bom???
J: *chega perto dela
ei eu tenho um último pedido
pode ceder a sua residência pra gente fazer uma festinha pro Guilt?
Ay: hummmm??
J: aquele menino ali
pufavoooo *faz uma cara fofinha
Ay: .. beleza, mas não façam barulho vou trazer bolo
J: bolinhooooo
**um tempo depois...
Gt: *acorda
hmmmm
*olha pra frente dele e tem um bolinho com "12" em velas
H, L, P, Ne, Ay, Du, J: surpresaaaaaa
Gt: hum?
H: a gente soube que hoje é seu aniversário, então a gente decidiu comemorar!
Gt: serio?
{a personalidade do Guilt é super tranquila perante a tudo, mas como ele não conhece ninguém e ainda tá meio tonto por causa do feitiço da Duda, €.}
Gt: então vamo comer
**todo mundo: ITADAKIMAAASUUU
**tempo depois
Ay: obrigada por terem feito algo aqui, foi bem legal
alegrou minha noite
L: nao foi nada, cara dama.
Ay: eu sinto algo familiar em você
L: O QUE sera que eu sou bonitão?
Ay: meh acho que não tchau gente!
*fecha aporta
L: Hmmmm. ;-
Gt: então... agora vocês vão... embora..?
*olha pros 6 na luz da lua minguante
Gt: sabe.. foi tão daora e eu nunca tenho nada pra fazer... além de fugir
H: sabe... as pessoas se despedem, e as vezes se encontram de novo
Gt: ...
Ne: ...
por que você não vem cm a gente?
H, P, L: hummm?
Ne: sabe, pode ser legal a gente descobrir o que esse amuleto aí faz e se ele pode ser útil nas batalhas
você pode ser um baita de um guerreiro
L: ela tem razão
P: olha só
H: faz senrido
Gt: ...
eu irei!
eu entro pro grupo de vocês
Ne: aí eu vi vantagem
H: :)
e voce, john?
vai com a gente também?
J: ah cara...
*olha pra trás e vê a Duda
... eu tenho lugares a visitar mas... digamos que a gente faz parte do time
H: tudo o que eu queria ouvir
**colocam as mãos no meio
Ne: sabe.. eu tô enjoada desse negócio de ordem
eu acho que mancharam demais essa coisa aí e nos devíamos levantar nosso próprio império
H: tipo o que?
Ne: sabe... nós causamos uma tempestade aí...
e vocês sabem que tempestade de neve é nevasca né?
(claramente quer o nome dela no grupo)
H: hummm que tal Blizzard?
Ne: Blizzard? soa daora
*coloca a mão no meio
Blizzard.
H: *coloca a mão também Blizzard
P: *coloca a mão Blizardo
L: *coloca a mão
Blindado.
J, Du, Gt: *colocam a mão
Blizzard.
Ne: então tá decidido.
H: sim. *levantam as mãos
...
.. NO PRÓXIMO EPISODIO DE NAJIYU:
EP 11 - Descansamos!...Ou não. Lily, Xiulabi e Kanix!
☘️
submitted by henrylore to Najiyu [link] [comments]


2020.09.20 17:54 afroboy334 Tô atribulado

De todos os meus amigos, eu sou o único que não namora ou não namorou até agora e isso me deixa meio confuso.
É uma luta constante entre um lado da minha cabeça falando "vai lá, compra aqueles fone bluetooth daora, parcela em 10x, se declara pra ela e mete 5 filhos logo" e o outro falando "investe 30% do seu salário, compra esse fone daora só quando o que você tem quebrar, só vá atrás de mulher depois que você tiver se estabelecido (casa, carreira, sonhos e objetivos), tá carente? Tem aquela garota de programa gostosinha pô só 120 a hora".
Acabei de excluir uma mina de todas as redes sociais e eu acho que ela era o amor da minha vida mas foda-se eu tenho dinheiro e tudo que eu quero a um clique de distância, meu pau é grande (isso não é uma vantagem em algumas situações mas é bonito) e tô bem fisicamente e mentalmente (???) E é isso bom domingo a todos amo vocês
submitted by afroboy334 to desabafos [link] [comments]


2020.09.19 21:37 niallwhore Meu ex namorado estragou tudo e esse foi o maior favor que ele já me fez!

Segura que lá vem o textão com meu relato e uma mensagenzinha motivacional pra quem ta sofrendo por quem não te merece. :}
Esse ano eu conheci um rapaz por quem me apaixonei muito. A gente namorou por 5 meses e tivemos um relacionamento extremamente abusivo: ele me acusava constantemente de traição, não queria passar os finais de semana comigo, me agredia verbalmente, era obcecado com instagram e vivia brigando comigo por coisas fúteis relacionadas a redes sociais, não deixava eu ter amigos, não me avisava com antecedência quando ele ia sair pra visitar a amiga dele, sempre brigava comigo, ficava bravo quando eu comprava coisas pra mim, colocava palavras na minha boca, não confiava em mim nunca, ficou do lado do cara que me abusou psicologica e fisicamente - ao invés de acreditar em mim, ele ficava jogando essa história na minha cara como se eu tivesse culpa, além de tudo ele tinha CIÚMES do cara que me abusou. Enfim, comi o pão que o diabo amassou.
Foram 5 meses levando porrada, até que um dia ele desistiu de mim e terminou comigo. A justificativa dele era que eu ficaria melhor sem ele - ao invés de tentar trabalhar as coisas que estavam ruins, ele decidiu fugir. Ele terminou comigo umas 10 vezes enquanto a gente namorava e depois voltava atrás, mas essa última vez eu fui forte, peguei as palavras dele, aceitei o término e não voltei atrás.
Lidar com esse término tem sido extremamente difícil, porque eu ainda o amo demais, eu sinto falta dele todos os dias. Porém, desde que ele terminou comigo eu me apeguei aos meus amigos que se importam comigo, me reaproximei dessas pessoas e aprendi a ser um bom amigo novamente e estar ali pra eles.
Perder o direito de ter amigos quando eu namorei me fez valorizar muito mais as minhas amizades. É muito ruim e assustador não ter ninguém.
Estou passando por maus bocados, mas eu fico muito feliz de ver que não estou sozinho, sabe? De ter meus amigos e minha mãe me apoiando e me fazendo sentir como uma pessoa boa novamente (porque quando eu namorava ele fazia acusações tão graves sobre mim que saí me sentindo o pior monstro do mundo).
É bom demais desabafar com as pessoas próximas e não ouvir como resposta um “fica tranquilo que vai dar tudo certo” ou não me culparem por estar me sentindo mal e brigarem comigo igual meu ex fazia.
Eu estou podendo jogar videogame de novo, e não fico mais triste de passar os domingos sozinho, porque afinal eu estou solteiro, e ta tudo bem. Além de tudo, todo o espaço vazio que o fim do relacionamento deixou, eu estou usando para desenvolver projetos pessoais e profissionais, inclusive tenho uma amiga que ta me apoiando e me inspirando muito a explorar cada vez mais os meus potenciais.
Meu ex se arrependeu muito de ter terminado comigo e deixou claro várias vezes que faria de tudo pra me recuperar. Ele me disse que mudou, que se voltássemos a namorar tudo seria diferente, etc. Por mais atrativo que isso fosse, porque eu ainda o amava (e ainda o amo), eu fui forte e sempre tentava lembrar de tudo que eu fui forçado a deixar de lado porque ele mandou. Sem contar que o fato de ele ter me culpabilizado e me feito lembrar tantas vezes do abuso que sofri foi algo que eu não consegui perdoar.
Enfim, as semanas foram passando e depois de tantos surtos, indiretas injustas sobre mim que ele ficava postando nas redes sociais, entre outras coisas como o fato de ele ter ido brigar com uma amiga minha porque ela deu unfollow nele no instagram e de ele ter seguido um conhecido meu e dado block nele em sequência, as coisas foram acalmando um pouco. Ele parecia realmente estar mudando, e obvio que isso mexeu com meu coraçãozin de gado.
Embora não tivesse sido o bastante pra eu voltar pra ele, foi algo que me fez não querer afastar e tirar ele da minha vida. Eu deixei uma janelinha aberta pra ele entrar, caso se comportasse. E depois de vários dias que a gente estava se dando bem, eu decidi que iria acompanhar ele em um exame que ele ia fazer e ele falou que queria que eu fosse junto.
Eu fui acompanhá-lo e na hora de ir embora, ele disse que queria voltar pra mim e tal. Então eu conversei com ele durante horas com a maior honestidade sobre tudo que eu tava sentindo, e eu concluí a conversa dizendo a ele que se eu realmente sou o amor da vida dele e se ele realmente estivesse mudando, o tempo eventualmente iria mostrar e a gente iria acabar ficando juntos se fosse para ser. Ele disse que estava disposto a deixar o tempo mostrar que ele estava falando a verdade, então embora a gente não tenha decidido se afastar de vez nem voltar, a possibilidade tava ali no ar caso ele quisesse agarrar.
A conversa foi na quarta-feira. Quinta-feira eu segui no instagram um amigo de longa data com quem eu havia perdido contato. Em um plot twist bizarro, meu ex uma duas horas depois desse follow veio querer tirar satisfação comigo referente a este amigo que eu segui. Sendo que a gente tinha conversado sobre como esse tipo de comportamento dele era nocivo um dia antes.
Mano, eu fiquei puto com ele e me permiti surtar e falar o quanto que ele foi invasivo e o quanto essa situação foi fodida. Eu fiquei tão irritado com o que ele fez que não queria mais falar com ele. Ele me ligou algumas vezes durante a madrugada e mandou inúmeras mensagens implorando pelo perdão. Mas eu precisava ficar sozinho pra processar tudo aquilo.
É, galera, quando a gente ta apaixonado a gente é trouxa o bastante pra se decepcionar com a pessoa mesmo ela ja tendo vacilado com você inúmeras vezes antes.
Beleza né, no dia seguinte descubro que ele seguiu outro amigo meu com quem não tenho mais contato no instagram (e meu ex morria de ciúmes desse menino, porque nós já fomos muito próximos como amigos e tinha algumas fotos com ele no meu instagram). Além de ele ter dado follow no menino, eles trocaram vários likes em fotos. Eu vi aquilo e decidi que iria retirar meu ex das minhas redes sociais, eu chorei muito muito mesmo, mas beleza.
Menos de uma hora depois meu ex começou a me ligar de novo e implorar pra eu conversar com ele, porque ele não iria aguentar me perder e que precisava de mim. Eu primeiro tive que mandar uma foto minha chorando pra ver se ele acordava pra vida de que ele foi longe demais e depois fui bem grosseiro ao pedir para ele me deixar quieto. Ele disse que iria me deixar quieto, mas implorou pra eu não sumir de vez e encerrou com um “te amo, até”.
Depois dessa conversa fui conversar com esse meu amigo que ele seguiu no instagram, e o meu amigo disse que tinha conversado com meu ex pra tirar essa história a limpo (pra ver se ele ainda tava namorando comigo e tals) e meu amigo falou que meu ex disse que já tínhamos terminado e ele não queria mais ter nada a ver comigo. Além disso, meu ex falou sobre mim com deboche pra ele, como se o relacionamento tivesse dado errado e acabado por minha culpa.
Bom, gente, eu tinha tudo pra ficar arrasado com isso tudo, porque uns minutos antes o menino tava implorando por mim enquanto ele dava em cima de alguém que eu conheço e já fez parte da minha vida. Ele me acusou de traição durante 5 meses, e quem se provou um grande mentiroso e um traidor do mais baixo nível foi ele. Ontem eu finalmente entendi que ele tentava constantemente me diminuir e dizer que eu sou péssima pessoa, porque na verdade era ele quem fazia tudo isso e ele só estava projetando essas coisas em mim.
No final das contas, embora eu esteja muito triste, eu estou muito grato por ele ter estragado tudo e ter mostrado quem ele realmente é. Imaginem que merda se eu tivesse acreditado nele e voltado pra ele? Fico imaginando quantos chifres que eu levei durante esse relacionamento e fico muito feliz que todo esse abuso acabou.
Eu não estou contente, mas eu estou extremamente satisfeito que estou aprendendo a viver minha vida sem ele e me recuperando de um monte de merdas que aconteceram na minha vida (até antes mesmo de eu ter conhecido ele) ao lado dos amigos que se importam comigo e da minha família. Estou extremamente carente, mas eu nunca vou me submeter a voltar com alguém que me traiu dessa forma e ter esse conhecimento é tudo de bom, é libertador saber que quem mais apontou pra mim é a pessoa que mais fez as cagadas que falava que eu fazia.
Tudo isso pra eu dizer, meus amigos, que tudo bem sofrer por amor. Sua vida vale muito mais que um relacionamento abusivo ou alguém que te ilude. Se você ta malzão ou malzona porque seu amor te maltrata, te humilha, trai ou mente pra você, aprenda a se amar em primeiro lugar porque você tem potencial de fazer coisas incríveis! Onde há vida, há potencial.
Se você ta se sentindo sozinho se apegue aos seus amigos, se não tem amigos se apegue a sua família. Vai conhecer gente nova, às vezes perder uma pessoa nos faz sentir que estamos perdendo o nosso mundo, mas nós ainda teremos um universo inteiro para explorar.
submitted by niallwhore to desabafos [link] [comments]


2020.09.16 16:18 ZeroWan Haverá clube com a massa adepta mais dividida do que a nossa?

Ontem, por curiosidade, fui ver o jogo à casa do Benfica do sítio onde estou a viver neste momento. É raro frequentar o local pois uma parte dos clientes assíduos são bem mais velhos e são claramente incapazes de criticar o que quer que seja relativo ao Benfica, foi bem rápido que percebi que quem quer que abrisse a boca para criticar o pino suiço, o Almeidinhos ou o melhor treinador do mundo eram rapidamente corridos a "deves ser tripeiro", "se não gostas do Benfica, que estás aqui a fazer?" e coisas semelhantes. Porém, também havia adeptos com noção da situação do nosso clube e que sabem que apesar do amor que sentem pelo emblema, criticar com o objectivo de melhor é uma opção perfeitamente válida. No fim do jogo alguns dos "Vieiristas" mais acérrimos quase iniciaram uma bela duma cena de pancadaria com os adeptos mais descontentes. Infelizmente, esta casa é a imagem do nosso clube.
O Presidente: Amado por uns, detestado por outros. - Teve a sua importancia na história do clube, mas já há muito ultrapassou o prazo de validade, para ele o Benfica é um negócio e o dinheiro está sempre à frente do sucesso desportivo. É impressionante o talento que é gerado e nutrido no Seixal e ainda mais impressionante a facilidade com que o vendemos mal haja hipótese de o papá Mendes tirar o seu. Espero com imensa curiosidade o dia em que este mafioso deixe de ter a protecção que o nosso clube lhe dá e que seja justamente condenado por toda a merda em que está envolvido. Infelizmente, com a alteração dos estatutos, calculo que se escapar às eleições de Outubro, nas próximos eleições só se vão poder candidatar sócios com bigode e com o segundo nome Filipe.
O treinador: O treinador mais sobrevalorizado do futebol português. Um treinador que já treina DESDE 1990!!! mas que aparentemente só começou a trabalhar em 2009. Um treinador que no nosso clube, apesar da matéria prima à qual teve acesso, passou uma vez a fase de grupos da Champions em 5 anos (O Rui do bombo passou 2 vezes em 3 anos). Um treinador que só conhece uma forma de jogar futebol, 4-4-2 ultra ofensivo e desiquilibrado e que, quando é apanhado por oposição de igual qualidade ou superior, não sabe jogar de outra forma. Um treinador que perdeu 2 campeonatos para o Vitor Pereira.
Alguns jogadores: O "capitão" de equipa (desculpa Jardel, obrigado por todos galos, feridas e negras mas já não dá mais) Almeidinhos e o seu side kick Pizzi. 2 jogadores que estatisticamente são muito bons no nosso campeonato mas que quando a qualidade da oposição aumenta, demonstram que um Benfica com estes referentes nunca será mais do que adequado para consumo interno. Lembram-se de quando o Bruno Fernandes estava cá e havia dementes que diziam que o Pizzi era melhor jogador? Ou quando diziam que o Almeidinhos devia ir à selecção à frente do Cancelo ou do Semedo porque tinha melhores estatísticas? Pois é, há muito benfiquista assim.
Neste momento, o nosso clube é uma bomba relógio e não há nada de entre estes 3 factores que ajude a acalmar todas as tensões, felizmente não há público nos estádios porque calculo que neste estado iria haver confrontos entre benfiquistas nas bancadas da Luz. A solução para isto? Um reset completo. Uma vitória nas eleições de um candidado sério como Noronha Lopes, um treinador adequado à filosofia do clube onde o objectivo não seja apostar nos jovens para vender mas sim para serem o núcleo do plantel, criar referencias que passem a carreira na Luz. Comprar jogadores de fora só em última necessidade e comprar pela certa. Enfim, sonhos...
Para já, vou continuar a sofrer a ver o meu Benfica em casa e ver gente que não ama o Benfica a festejar relatórios de contas, finais de ligas europas perdidas e contratações para comissões como se fossem esses os reais objectivos de um clube com a grandeza, a história e o potencial do meu Benfica.
submitted by ZeroWan to benfica [link] [comments]


2020.09.15 02:44 josianemoreira Israel e seus Inimigos

Tudo começou na época de Abraão, quando ele e Sara tiveram seu filho Isaque, o filho da promessa, que deu origem ao povo judeu pp.dito. Porém, antes Abraão havia tido um filho com sua escrava Hagar, Ismael, que casando-se com uma egípcia deu origem a doze príncipes que povoaram aquela região. Descendentes de Abraão, Ló e o filho rebelde de Isaque, Esaú, se misturam com os ismaelitas, dando origem aos povos vizinhos (adonitas, amonitas, amalequitas, moabitas, hagarenos, ismaelitas) que juntaram-se aos filisteus, cananeus e outros povos com um único objetivo: – destruir a linhagem da promessa, Israel. Depois vieram os babilônios, os persas, os gregos, os romanos, os turcos, os árabes, e mesmo vários segmentos do cristianismo, como ocorrido na época dos cruzados, a inquisição, os pogroms, o holocausto, as intifadas e agora os terroristas do Hamás, Hisbolah, Isis, e outras facções do Islam, sempre com o mesmo objetivo, a aniquilação de Israel.
Clique aqui e encontre Camiseta Evangelica com temas judaicos
Se o judeu é o povo da Bíblia, então o maior legado de Israel para a humanidade é seu livro divino e inspirado por D´us. O que diz então este livro sobre esta hereditária perseguição e desejo de aniquilar Israel, varrendo-o do mapa?
Foi então que me concentrei nas passagens bíblicas que pudessem trazer luz ou pelo menos uma explicação razoável no sentido de entender a importância de Israel para as nações através do tempo e do plano divino. Portanto, não há como entender a inimizade dos países vizinhos e mesmo a maioria das nações que se posiciona contra Israel sem levarmos em consideração os aspectos espirituais deste conflito milenar.
Meu amigo, apresento a seguir, um contexto bíblico-espiritual na tentativa de explicar o porquê deste conflito. Evidentemente, mesmo os que não crêem na Bíblia poderão conhecer um pouco da história.
Antes de começar, eu gostaria de apresentar neste momento a minha conclusão final: A razão de toda guerra e conflito com Israel está relacionado ao Tikkun Olam (A redenção universal) que virá em breve sobre o planeta Terra e sobre todo o universo. Israel foi comissionado divinamente como nação coorporativa para esta nobre missão. Entretanto, esta missão não o coloca melhor do que nenhuma outra nação, mas faz recair sobre ele uma grande responsabilidade pela qual Israel tem pago um altíssimo preço ao longo de sua existência. A grande verdade é que as forças opositoras do mal ou das trevas, que tanto a Bíblia menciona, sabem que pouco tempo lhes resta para agir (Ap 12:12).
Israel como povo muitas vezes tem se esquecido, ao longo de sua própria história, dessa nobre missão, desse chamado divino e irrevogável. Mas, se recorrermos ao Tanhuma Kdoshim, 10 (um antigo Midrash), escrito antes do Tamuld da Babilônia, veremos que os rabinos da época já entendiam a importância de Israel no contexto universal. Ou seja, Israel é o centro da terra na perspectiva messiânica. Assim, o centro do mundo seria Israel, do mesmo modo que o centro de Israel seria Jerusalém. O centro de Jerusalém seria o Templo; o centro do Templo seria o Aron Hakodesh (a Arca) e o Centro da Arca seria a Torá.
Representação do Midrash Tanhuna Kdoshim: A Palavra do Eterno como centro do universo

Mas, o que é a Torá? No profundo sentido espiritual seria a Palavra de D´us, Sua “davar”ou “logos”. Para mim, a Torá é o Verbo que se fez carne e habitou entre nós, segundo João (1:14), apóstolo e seguidor de Yeshua, o Messias, em sua primeira vinda. Na sua primeira vinda, Yeshua veio para trazer as Boas Novas de redenção para a humanidade; veio como profeta, como Filho do homem (Ben Adam), como gostava de ser chamado. Mas, em sua segunda vinda, virá como Rei (Ben David) e Sacerdote para implantar o Seu Reino Messiânico de Justiça, Paz e Alegria (Rm 14:17), reinando sobre as nações de Jerusalém, exatamente do Templo de Salomão que será reconstruído no Monte Moriá, segundo o profeta Ezequiel.
O profeta Ezequiel, em exílio na Babilônia no ano 598, A.C, entendeu claramente o porquê de Israel estar em exílio por 70 anos. Israel vivia como as demais nações na tríade da idolatria, adultério e apostasia. Ezequiel vê Israel saindo dos propósitos divinos e em luta constante com seus vizinhos. Depois, num outro tempo, Ezequiel vê as nações da terra marchando contra Israel. Sobre isto, gostaria, para efeitos didáticos, fazer uma “midrash” de vários textos bíblicos, resumindo no seguinte:
Os três tipos de inimigos de Israel em três tempos:
I. Primeiro Tempo – Os vizinhos inimigos de Israel.
Os capítulos 25 a 32 de Ezequiel mencionam os vizinhos de Israel como seus inimigos. Todos tem em comum um único propósito: destruir Israel! Quem são eles?
Amon, Moabe, Edom, Filístia, Tiro, Sidon e Egito. Asafe, salmista contemporâneo do Rei David, escreveu no Salmo 83 que os vizinhos inimigos de Israel são: Edom (descendentes de Esaú), Ismaelitas (descendentes de Ismael), Moabe (descendentes de Ló com sua filha mais velha), Hagarenos descendentes de Hagar), Gebal (fenícios e parte do Líbano), Amom (filhos de Ló com a filha mais nova), Amaleque (descendentes de Esaú), Filisteus (habitavam em Jope e Gaza), Tiro e Assíria (parte da Síria e Iraque). No Salmo 83, é dito que esses povos formaram uma liga, um conselho (federação) com um único objetivo: Riscar Israel do Mapa! (Vinde, e apaguemo-los para que não sejam nação, nem seja lembrado mais o nome de Israel – verso 4). Ou seja, podemos fazer uma correlação entre os textos de Ezequiel (25-32) com o Salmo 83 e chegar à conclusão que todos esses povos foram inimigos ferrenhos de Israel e tentaram destruí-lo, impedindo que o povo hebreu conquistasse e tomasse posse da Terra prometida a Abraão, a terra de Canaã. Interessante notar que nenhum desses povos prevaleceu na terra. Todos esses povos possuem vestígios no atual povo árabe, hoje os vizinhos de Israel. E o mais interessante é que o mesmo espírito e desejo de destruir Israel continua vivo. Portanto, Israel deverá estar atento sempre aos seus novos “antigos” vizinhos.
Resumindo:
a) Esses antigos vizinhos foram e serão ainda derrotados no futuro segundo o salmista. Isto nos mostra que existirão países vizinhos de Israel que tentarão alcançar seus antigos objetivos: Apagar Israel do Mapa. Podemos então dizer que esses vizinhos tentarão impedir a existência de Israel, isto é, do povo e da terra de Israel ainda nos dias de hoje.
b) Motivo espiritual: impedir que as profecias messiânicas se cumpram quanto à terra de Israel e seu povo para a chegada do Messias e de seu Reino universal (Tikkun Olam).
II) Segundo Tempo – A coligação das nações, inimigos de Israel.
Representada em Apocalipse como a Grande Babilônia (Ap 17 a 20) constituída por dez reis ou nações ou coligações das nações, onde aparecem figuras como o Dragão (satanás), a Besta e o Falso Profeta (Ap19). A tríade do espírito da Babilônia é a idolatria, a prostituição e a apostasia. Podemos dizer que idolatria é tudo aquilo que afasta o homem do verdadeiro D´us; a prostituição é tudo aquilo que corrompe relacionamentos e valores morais, e apostasia é a conseqüência natural de afastar o homem do Seu Criador, da fé, das bênçãos e promessas. Hoje, vemos claramente que as nações estão se alinhando para a formação desta liga babilônica, onde Israel é o centro dessa oposição. É interessante notar que a Europa tem sido invadida por mulçumanos oriundos dos países árabes e da África, principalmente. Nota-se também que os países europeus tornam-se cada vez mais antagonistas ao Estado judeu. Facções da ideologia nazista tem crescido no mundo todo, bem como o antissemitismo. O espírito do mal que nos tempos bíblicos tentava impedir Israel de se estabelecer e existir, aparece ao longo da história na destruição do primeiro Templo por Nabucodonosor, do segundo Templo por Tito de Roma, seguido depois pelos Cruzados, Inquisição, Pogroms, Holocausto, intifadas, e no momento, a coligação de terroristas islâmicos.
Objetivo final: Tentar impedir a vinda (retorno) do Messias e de Seu Reino Milenar, o Tikkun Olam. Pois segundo as profecias, o Messias Yeshua volta para Israel, não para outro país. Porém, essa “babilônia” será destruída na batalha no Vale do Armagedon, ou Megido, ou Vale de Jesreel, o vale do juízo, onde o Messias adentrará com seus eleitos e vitoriosos, destruindo a besta e o falso profeta, lançando-os no abismo, no lago de fogo e enxofre. O Dragão, satanás, será preso por mil anos (Ap19:20 e 20:2). Quase todos os profetas bíblicos desde Isaías até Malaquias fizeram menção quanto ao “Iom há Din” o grande e temível dia do Senhor, o dia do juízo das nações.
III) Terceiro Tempo – Coligação das nações com Gogue e Magogue contra Israel no final da era milenar
Mesmo após o Reino de D´us ser implantado nesta terra pelo Messias Yeshua (para aqueles que Nele crêem), aparecerão no final da era milenar povos e nações que se rebelarão contra todo o propósito deste Reino messiânico. Inacreditável, mas isto acontecerá segundo as profecias. O profeta Zacarias (Zc 14:16) menciona que neste período de 1000 anos de paz na terra, as nações subirão de ano a ano a Jerusalém para adorarem o grande Rei Messias e para celebrarem a festa de Sucot (Tabernáculos), mostrando a paz no mundo e a alegria por termos um Rei soberano sobre todas as nações. Nesta época haverá três tipos de pessoas vivendo na terra. O primeiro será constituído por aqueles crentes em Yeshua que morreram no Messias, mas que ressuscitaram por ocasião que antecedeu a Sua vinda, no arrebatamento da Igreja, judeus e gentios juntos no Messias (I Te 4:13:16). O segundo tipo foram aqueles crentes que não passaram pela morte, mas também tiveram seus corpos glorificados na vinda de Yeshua (ITe13:15) e o terceiro tipo serão pessoas que nascerão durante a era milenar. Eles levarão uma vida normal no período milenar, mas no final do milênio satanás será solto e levará grande parte desses a uma rebelião contra D´us e o Messias. Porém, serão destruídos pelo fogo que cairá dos céus (Ap20:7-10). Quem serão esses povos que se rebelarão contra D´us no Reino milenar de Yeshua? Ezequiel, nos capítulos 38 e 39, e também Ap 20:8, mencionam Gogue, chefe de Meseque e Tubal, Pérsia, Cuche, Pute, Gomer e Togarma. Quem são esses povos?
Gogue representa uma entidade de satanás. Meseque (filho de Jafé, deu origem aos europeus); Tubal (assírios); Persa (Irã); Cuxe (descendentes de Cão, os Líbios, p. ex.); Gomer (descendentes do filho mais velho de Jafé, os Cimérios, arianos que vieram da Ucrânia e Rússia) e finalmente Togarma (povo de Carmequis, Turquia). Muito interessante analisar que esses povos serão os arqui-inimigos de Israel e do reino messiânico.
Objetivo final: no final do milênio, segundo a Bíblia, haverá o juízo final e a ressurreição de todos aqueles que não passaram pela primeira ressurreição (dos salvos em Yeshua). Portanto, o objetivo de Gogue e Magogue com suas nações coligadas será impedir o Juízo final, por isso, tentarão pela última vez destruir a sede do Reino Milenar, Jerusalém – Israel. Em outras palavras, satanás tentará anular o juízo final e a condenação que virá para seus seguidores (Ap 20:7-15).
Indicação das nações da coligação “Gogue” e “Magogue”
PORÉM, HÁ UM GRANDE MISTÉRIO QUE NÃO PODEMOS ENTENDER, não nos sendo revelado: – Como sendo o D´us de Abraão, Isaque e Jacó, o D´us de Israel, um Deus definido pela Bíblia como AMOR , pode ser chamado pela própria Bíblia de D´us dos Exércitos de Israel (ICr 11:9;ICr17:24; I Sm17:45) ou o D´us das batalhas (Sl24:8; ISm25:28) ou o D´us que adestra as mãos de Israel para a guerra (Sl144:1)?
Lembremo-nos que D´us não muda (Ml 3:6). Ele é o mesmo D´us de ontem, de hoje e de sempre. Portanto, concluímos que Ele continua sendo o D´us dos Exércitos de Israel nos dias de hoje.
Eu não posso entender como um D´us definido como amor, paz, justiça, alegria e tantos outros atributos, pode se posicionar ainda hoje como o D´us dos Exércitos de Israel! Isto é difícil de entender, mas é verdade.
Poucos conseguem ver que D´us trabalha em tempos e propósitos consecutivos: Adão perde pelo livre arbítrio o Reino terreno sob o comando celestial e toda a humanidade tem sofrido grandemente as consequências deste pecado da separação: guerras, fome, miséria, corrupção, perda dos valores morais, deterioração da família, etc. Portanto, D´us dá inicio ao processo de Redenção, escolhendo primeiro um povo e uma terra para se manifestar, mostrando seu propósito, dando a este povo a Sua Torá. Este povo precisaria de aprendizado, de disciplina e de temor a D’us. Assim, D´us o coloca por 430 anos para ser escravo no Egito. Depois, D´us através de Moisés o leva para a terra de Canaã, a terra prometida para que jamais deixassem aquele local. Logo a seguir, D´us levanta seus profetas que preconizam e ensinam sobre a era messiânica e o papel de Israel, em específico, da Tribo de Judá, da qual sairia o Messias em sua primeira vinda. Um grande feito divino que marcou o mundo antes e depois dele foi a redenção individual do Messias há dois mil anos, permitindo às nações, através do Mashiach, usufruir das alianças, das promessas e das bênçãos de Israel. O muro de separação foi quebrado entre Israel e as nações. D´us queria que Seu Reino começasse em cada coração, ainda no interior, na alma, tanto para os judeus como para os gentios que crêem em Seu Filho, o Mashiach!(Ef 2:11-22).
Dois mil anos se passaram. D´us permite que Israel subsistisse entre os povos, ajuntando-os dos cantos da terra e levando-os para a terra de seus pais. Israel floresce como povo e nação, preparando-se para o grande dia em que seus olhos serão abertos e receberão o messias Yeshua como Seu Rei (Rm11:26). Este tempo se aproxima e aqui faremos um parêntese, uma pausa, para que as profecias messiânicas continuem a se cumprir em Israel e no mundo.
Se realmente cremos que Ele é amor, então, só entenderemos no final e no tempo messiânico o porquê de todo este conflito com Israel através da história humana. Lá saberemos e comprovaremos que realmente a humanidade receberá o melhor Dele, o Seu amor! Ele só ama Israel porque ama todas as nações. Ele quer o melhor para as nações e, por isso, escolheu Israel e seu povo para ser a luz para as nações (Isaias 42:6) através Daquele (O Mashiach) que vêm Dele para reinar sobre toda a terra, estabelecendo o Seu shalom, a Paz!
Yeshua, em sua primeira vinda, falou muito deste Reino de D´us que começa primeiro em nosso coração. Mas em breve ele será real! A terra viverá em paz, Israel florescerá e dará frutos ao mundo. As nações da terra subirão a Jerusalém para adorar o grande Rei. O próprio Yeshua, quando se despediu de seus discípulos num Seder de Pesach (Ceia de Páscoa), disse que desde aquele momento não beberia mais do fruto da videira (vinho, kidush de Pesach) até aquele dia em que conosco beberá de novo, no Reino do Pai (Mt 26:29). Ele mesmo declarou à Jerusalém: “Declaro-vos, pois, que, desde agora, já não me vereis, até que venhais a dizer: “Baruch há Ba BeShem Adonai” – Bendito o que vem em nome do Senhor! (Mt 23:39)
submitted by josianemoreira to u/josianemoreira [link] [comments]


2020.09.12 21:33 danileitedemorais Quem se conhece

Como eu costumo dizer é preciso #SECONHECERPARAVESTIR
NÃO adianta MUDAR o guarda-roupa todo, saber quais as suas cores e não entender os seus próprios processos e como você funciona. "Conhece-te a ti mesmo"... frase célebre de Sócrates e um convite a mergulhar mais nesse universo próprio. Quem se conhecer sabe o seu valor, não é dobrado por qualquer moda, não é escravo de tendências, da vontade alheia ou da opinião dos outros. Quem se conhece também sabe respeitar os espaços que não lhe pertencem e se adequa , adapta-se sabendo que isso não mudará quem ele é. Quem se conhece tem mais liberdade, autonomia, protagonismo. Julga menos, pois sabe que possui o mesmo potencial para o erro que qualquer ser humano. Quem se conhecer, vive a própria vida e é capaz de se amar e dar amor. É só quando a gente se conhece que consegue SER livre! Faço-lhe um convite para esse fim de semana: Invista um tempinho em autoconhecimento. Para isso, eis um exercício simples com algumas perguntas? 📷 O que faz você se sentir bem? 📷 Quais os seus sonhos e desejos? 📷 Quais os seus defeitos? 📷 Quais os seus pontos fortes? 📷 Quais os seus pontos fracos? 📷 No que você pode melhorar? As respostas às perguntas acima vão revelar muito sobre você. Todos somos imperfeitos, mas todos podemos melhorar, sem pressão, sem comparação, simplesmente amando mais esse ser humano incrível criado por Deus que tem sim defeitos e qualidades como todo mundo, mas que nasceu para DAR CERTO. Daniele Leite
submitted by danileitedemorais to u/danileitedemorais [link] [comments]


2020.09.11 23:59 Pretty-Gap7378 Doença mental

Sinto que algo não está bem. Sinto um sufoco no peito que não me deixa respirar, um nó na garganta que não se desfaz. Tento, de todas as formas e feitios, encontrar o culpado desta dor que me aflige e sufoca a alma. Após desabafos, fármacos e mais fármacos, concluo que a culpa reside em mim. Durante anos carrego-a como se fosse uma sombra. Persegue-me a cada passo, conseguindo-a ignorar apenas na escuridão. Se há reflexão tenho vindo a fazer ao longo dos meus miseráveis 24 anos de existência é a de que as minhas tentativas de encontrar a culpa do meu sofrimento não me levaram a lugar nenhum, se não antes a piorar a minha própria dor.
Vou-vos contar uma história. Nasci numa pequena aldeia. Apesar de sempre ter vivido nessa pequena e pacata aldeia à beira-mar plantada, nunca senti que aquela fosse a minha casa. Isto porque, em parte, cresci e morei até aos 3 anos de idade numa casa muito pobre, mas cheia de amor, a casa da minha querida avó Maria, numa outra pequena aldeia no campo. Maria do Carmo, de seu nome, é a típica avó que surge nos filmes da Disney, uma senhora idosa e frágil, mas de um coração e bondade enormes. Tal como nos contos de fadas, a minha avó também me ensinou a ser bondosa, respeitar o outro, ter compaixão, a partilhar e sobretudo a amar. Fui muito feliz naquele casebre, onde brincava desde o nascer ao por do sol na natureza, convivia com os animais da quinta e ajudava nas pequenas tarefas que me faziam sorrir.
Com os 3 anos feitos, tinha chegado a altura de entrar no jardim de infância. A adaptação foi fácil, as funcionárias eram carinhosas e faziam-me lembrar de alguma forma a educação e valores transmitidos pela minha avó. Tudo mudou quando chegou a altura de entrar na escola primária. Até aquela data, só conhecia amor, carinho e bondade. Tudo se desmoronou depois, o meu conto de fadas havia terminado. A escola primária localizava-se precisamente na pequena aldeia onde nasci. Aqui as pessoas eram frias e mesquinhas e, tal como os abutres, esperavam sempre a próxima vítima para se poderem alimentar da sua dor. Não possuíam qualquer tipo de cultura e a sua vida insignificante resumia-se a um consumismo desenfreado que lhes trazia, presumo eu, algum tipo de alívio à sua triste existência.
Fui obrigada, por motivos profissionais quer da minha mãe, que trabalhava longe, quer do meu pai, que fazia turnos rotativos, a passar muito mais do que as 8 horas de escola a conviver com aquela gente tóxica. Aos 6 anos de idade, após alguns meses naquela escola e a conviver 12 horas por dia com aquela gente, vim a desenvolver uma depressão infantil. Com muita psicoterapia, consegui ultrapassá-la, mas as sequelas ficaram até hoje.
Ainda hoje culpo a minha mãe por ser ausente e egocêntrica, talvez exagere nas acusações, uma vez que esta nunca me abandonou efetivamente, mas culpo-a por me ter deixado naquele ambiente hostil, que mudou até hoje a minha personalidade e me deixou marcas para sempre.
Este é, possivelmente, o evento mais traumático pelo qual já passei até hoje e sei que provavelmente nunca irei conseguir ultrapassa-lo verdadeiramente. Hoje, em retrospetiva, percebo que a minha depressão se deveu ao facto de sofrer abusos psicológicos por parte das pessoas com quem passava a maior parte do meu tempo e por me sentir indefesa, já que os meus pais estavam demasiado longe para me protegerem. Vou contar-vos um exemplo, durante o intervalo escolar, era hábito as mães dos alunos irem à escola dar os lanches aos seus pequenotes (sim, ouviram bem), elas não tinham trabalho, então dedicavam-se inteiramente a tarefas mundanas para ocupar o seu tempo. Por incrível que vos pareça, eu era a única criança naquele intervalo que não tinha um pai ou avó por perto. Lanchava completamente sozinha, a um canto, como uma pessoa sem amigos. Além destes episódios, nunca tive sorte com as pessoas que me rodeavam que, apesar de crianças, também elas já haviam crescido naquele ambiente tóxico e mesquinho e conseguiam ser realmente más. Uma vez, obrigaram-me a pisar cocó de cão sob a ameaça que iriam dizer aos meus pais que eu me tinha despido em frente a um rapaz da escola (algo que constituía obviamente uma mentira) e eu, indefesa, simplesmente cedi. São feridas que nunca saram, algo que não se explica.
O ambiente familiar também não ajudava, o contraste de uma casa alegre e feliz, a dos meus avós, com a dos meus pais era enorme. Contextualizando, irei descrever-vos brevemente a minha mãe: uma senhora aparentemente simpática e comunicativa, de boa aparência que possui um emprego estável. A realidade: uma pessoa completamente desequilibrada a nível mental que possui algo a que eu classifico como o transtorno dos transtornos, isto porque ela apresenta traços de várias condições psiquiátricas e não há forma de lidar com isso. Primeiro, viciada em compras – o meu pai tem um bom ordenado e ainda assim conseguíamos passar dificuldades todos os meses – depois, acumuladora compulsiva – estão a ver aqueles programas em que as pessoas têm a sua casa amontoada de lixo até ao teto? – sim é isto mesmo, a diferença é que há pessoas aqui para arrumar a casa e que deitam efetivamente as coisas para o lixo. Além disso, é uma pessoa extremamente egoísta e egocêntrica, com características subtis de narcisismo – achar que tem sempre razão, os seus problemas são os piores do mundo, enfim. Isto foi um pequeno resumo, ah e esperem, ela também tem características típicas de síndrome boderline, quando uma pessoa explode por coisíssima nenhuma. Estão a ver o filme aqui em casa não estão?
O meu pai, uma pessoa calma, pacifica, muito perfecionista. O seu maior defeito, ter a minha mãe como sua mulher. É triste dizer isto, mas é verdade.
Depois da depressão infantil, a minha vida não ficou mais fácil, pelo contrário, virou uma catástrofe. A mudança da escola primária para o ciclo poderia ter sido uma experiência positiva, já que iria conhecer pessoas novas, talvez melhores que as anteriores. Isso foi, em parte, verdade, porém o problema é que eu era uma criança muito feia. Quando digo feia não estou a exagerar, cheguei a receber o prémio de rapariga mais feia da escola (a sério), houve um concurso amador feito pelos rapazes da minha turma, que fizeram questão de me fazer chegar o prémio. Desde aí, o clima era terrível, rapazes a gozarem comigo, raparigas a excluírem-me porque não iriam ser amigas de uma pessoa terrivelmente horrorosa, cheia de borbulhas pustulentas na cara e dentes tortos e amarelos.
Quando a puberdade acabou, as coisas começaram a melhorar, e muito. Deixei de usar óculos, deixei de ter borbulhas, o patinho feio tinha deixado de ser assim tão feio. A minha vida deu uma volta de 360º, conheci os amigos que tenho até hoje e estou muito grata por este percurso, apesar de todo o sofrimento que passei durante os meus primeiros 14 anos de existência.
No entanto, de vez em quando, surge esta angústia, esta dor que não desaparece, esta ânsia por culpar alguém, que na realidade não existe. Julgo que não serei capaz de ultrapassar todos os traumas a 100%, mas gostaria de os esquecer, nem que um bocadinho. Há dias que olho para um objeto e subitamente lá surge uma memória ou outra associada a um dos muitos episódios de trauma vividos na infância. É algo que me afeta e afetará para sempre, mas também é algo que me define enquanto ser humano. Sinto-me, apesar de tudo, orgulhosa por ter ultrapassado tudo sozinha e ter conseguido tornar-me na pessoa que sou hoje. Já tive os meus altos e baixos, muito baixos mesmo, dos quais não me orgulho. Mas a vida é mesmo assim, uma aprendizagem. Quem nunca errou?
submitted by Pretty-Gap7378 to desabafos [link] [comments]


2020.09.10 16:10 henrylore Najiyu Ep 8 - A rainha dos gatinhos

**aparece um garotinho andando por aí se equilibrando em pedaços de madeira jogados na rua, pulando de pedrinha em pedrinha pra não pular nas frestas, um garoto normal andando pelo reino de catcastle
??: *comprando um sorvete de morango (é um garoto normal, de cabelo castanho, um colar com uma pedra de pingente, um amuleto)
*tomando o sorvete enquanto...
??²: *olhando pra ele escondido atrás de um telhado, olhando fixamente pra ele através das tendas de venda
hmm.....
*da pra reconhecer q é a mesma pessoa que tava no trem, roubando todo mundo, as orelhas de pelo cinza, os olhos azuis
*se esconde
...
**voltando...
Ne: nós precisamos falar com a rainha may
Hb: iiiii calma aí
a gente precisa conhecer vocês primeiro! já chegaram querendo entrar no castelo, não funciona assim aqui...
Ne: ...
H: *olha pra Nevaska e volta o olhar pra eles dois
tá, então vamos conhecer o reino inteiro?
Li: rapaz o reino inteiro eu não sei não viu, mas grande parte a gente consegue mostrar
Hb: faz sentido, vamos nessa
vocês provavelmente vieram cedo pro festival da música, o pessoal só chega daqui a alguns dias, eles nunca chegam exatamente no dia do festival....
H: por que não tem tanta gente aqui?
Hb: eu não sei, a galera curte os festivais mas na hora de morar eles desistem
H: hmmmm...
(a postura do Hb é super tranquila perante a tudo oq tá acontecendo, parece que ele faz aquilo ali todo dia)
L: e aquele castelão ali?
eu sempre quis um castelão
Hb: o castelo é da rainha, só entra lá quem tiver coisas importantes pra falar
com os tickets
*puxa uns papeizinhos do bolso e mostra
H: e isso aí são os tickets?
Hb: é... a maioria
eu presumo que alguns aqui são umas multas ou mensagens de fãs mas não tem segredo
eu tenho que ler os tickets ainda...
Li: o hb é preguiçoso, liga não
Hb: você que é chata
P: *sussurra no ouvido do Henry
o que tá acontecendo
H: eu sei lá
L: mano isso é maneiro
isso tudo é muito maneiro
Hb: algum de vocês quer casar?
H: °°
L: que
Ne: ????
P: err
Li: nao doido não com ele, é que ele é padre
H: aaaah
L: Hmmmm. faz sentido
EI CARA EU POSSO SER PADRE?
Hb: -'
L: MANO EU SEMPRE QUIS SER PADRE NAMORAL DEVE SER MANEIRISSIMO
Ne: Lusk...?
L: o que foi é minha chance de ser padre
Hb: calma lá amigo não se emociona
H: •-• carceres luskeiros
Li: rapaz vocês são energéticos
gostei
Hb: bem, pra ter a confiança de vocês eu tenho que apresentar vocês pros outros guardas daqui
P: guardas?
Li: tem guardas moradores velhos... tinham patinhas...
P: patinhas?
Li: é como a may chama os indicados a guarda por aqui
a gente separa esse pessoal em categorias e coisas que eles merecem por ações que eles fazem
o hb por exemplo é um guarda
Hb: oi
L: QUE MANEIRO Eu gostaria de guardar.
H: *olha pro lusk com uma cara bem séria
L: opa
Ne: então é só a gente conhecer os outros caras que a gente pode falar com a rainha
Hb: calma lá eu preciso deixar eles cientes de que vocês tão aqui, porque não é nada contra, mas a gente precisa ter certeza de que vocês são confiáveis
Ne: aaaa-
H: tranquilo
Hb: vem cá
**vão em direção ao castelo, e na porta já percebem um cara do lado dela, bem alto, que olha pra eles e diz
??: Olá. bem vindos ao catcastle!
Hb: esse aqui é o gui, ele é show de bola
Gui: opa meus queridos, tudo show?
*abraça pra cumprimentar eles já que ele é muito alto mesmo
L: caraaaaca
Gui: vocês podem me chamar de gui, ou de gordo
L: GORDAOOOOO
Li: *chega perto do Henry
rapaz esse teu amigo grita que é um tanto não?
H: eh-
*puxa o lusk
Calma cara.
L: COMO QUE EU VOU ME CONTROLAR COM TANRA COISA MANEI-
Ne: *da uma cotovelada na costela dele
L: a-
Hb: Gui, eu vou levar eles até a rainha, cuida da porta aqui enquanto eu não chego ok?
Gui: pode deixar
Hb: *abre a porta
**veem um corredor enorme cheio de armaduras e quadros, com uma escada no fundo
H: corredor bonito
L: foi o que ela disse num campeonato de corrida
Hb: *guia eles até às escadas, que levam a outro corredor
ué... o gerb era pra ta aqui
Li: *olha pro hb
nao era seu turno doido?
Hb: °°
viiish é hoje que eu perco o caaargo
**vão até o final e param de frente a uma porta vermelha com detalhes de gatos de diamante, mais chique que a porta de fora, com uma tranca aberta, mas que quando fechada parece bem resistente
Hb: ó só
a partir daqui,
cuidado tabom?
H: blz
P: ok
Ne: tranquilo
L: *colocando a mão na costela de dor
tran-quilo
Li: *da dois passos pra trás
Hb: *cuidadosamente abre a porta
**se revela uma sala cheia de janelas, com um tapete roxo no centro, e um lustre enorme com bastões luminosos que soltam glitter visíveis no ar pela própria luz do sol no fundo, se encontra um trono branco e roxo, com uma pessoa sentada, e uma caneca do outro lado
**é então que a pessoa vira pra eles e diz
??: Sim?
H: *ameaça ajoelhar no chão quando...
Hb: eai may tranquilo?
Ma: oi
Hb: eu trouxe uma galera aqui *aponta pra eles
e acho que você devia dar uma olhada sei lá vai que eles são uns chineses infiltrados
Ma: oi gente pessoas novas? *bebe um gole do que ela tá tomando na caneca e coloca no braço do trono de novo deixando pingar um pouquinho pra fora *na hora todo mundo percebe q é café
*desce do trono como se fosse um penhasco
Ma: pessoas novas...!
que surpresa
prazer gente eu sou a MayGabi, rainha dos gatinhos
e dona dessa vila aqui toda!
H: prazer eu sou o henry
P: prazer eu sou a... *pensa em algo
toggi!
H: que?
L: eu sou o grande, glorioso, bonitão, Lusk.
Ne: eu sou a Nevaska
eae
*faz um paz e amor
Hb: eu vou ali pra porta
não aprontem nada viu?
Ma: hmmmm...
o que vieram fazer? normalmente não vem gente pra cá...
...não por enquanto
Ne: nós viemos fazer um trabalho e precisamos da sua ajuda
a gente tá investigando uma pessoa que.. talvez tenha vindo pra cá
e a gente precisaria dos registros de quem entrou na vila ultimamente
Ma: eu não posso sair dando nomes de pessoas aqui pra vocês assim
Ne: hmmm... sabe se viu um cara chamado shibaru por aqui?
Ma: ... Shi- o que?
eu não sei gente, não tem como eu saber dentre tantas pessoas que entraram e saíram daqui
Ne: pode verificar pra gente?
Ma: ...
Ne: *puxa o distintivo dourado do shibaru e joga pra ela
a parada é séria. o cara é da ordem
Ma: *olha atentamente pro distintivo enquanto pensa
Li: não acham que se ele for entrar aqui ele não vai entrar desse jeito assim?
H: hm?
Li: ele entraria escondido se fosse entrar aqui, já que ele é da ordem
se vocês tão procurando ele, ele não ia pra um lugar onde a rainha tem nome de todo mundo que entra e sai
Ma: eu vou verificar os registros.
vejam com os guardas da fronteira se eles encontraram alguém
H: ue mas ninguém recebeu a gente
L: ninguém perguntou nome da gente
Li: tinham dois staffs encarregados disso mas eles sumiram...
Ma: o Bessa e o Clocks tavam encarregados disso no lugar deles. eles devem ter tido algum problema
ou... sei lá
H: ja começaram os desaparecimentos aqui?
Li: ...
Ma: ja começaram?
Ne: é, tá rolando uns desaparecimentos pelo lugar todo
e a gente ta investigando isso
Ma: e o que esse menino tem a ver com isso?
Ne: ele... fez coisas erradas e a gente tá buscando ele
Ma: hmmm.... eu não sei eu não posso julgar algo se eu não sei nada sobre ele né? a gente conversa mais tarde sobre isso, ok?
Lily
Li: sim?
Ma: voce ainda tem o seu hotel né? leva eles lá pra eles passarem essa noite
daqui a uns dias vai ser o grande festival
não quero que vocês vão embora antes disso acontecer
P: pode ter certeza que não vamos, rainha música sempre foi e continua sendo minha paixão eu costumava dançar quando criança
Ma: que interessante... togginha né? hehe
então vão lá
e boa tarde ;3
P: boa tardeeee
Ne: °°
ponce?
P: ah qual foi eu realmente dançava quando criança
Ne: a parada não é essa, você concordou em ir ao festival
e as investigações?
P: seja lá o que o shibaru quer fazer, ele vai fazer em lugares com grandes concentrações de pessoas, e se ele escolheu aqui, esse é o ponto dele
Ne: ...
P: ta achando o que minha filha
Ne: *boceja e bota as mãos atrás da cabeça
mas que saco hein
vai ver tem algo interessante nisso aí
**do lado de fora do castelo
Gui: *fecha a porta
vai com deus, pessoal!
H: aqule mano ali parece ser simpático
Li: todo mundo é simpático aqui...
hummmm *olha pra cima
tá anoitecendo, querem comer alguma coisa
H: beleza
L: eu tô com fome...
P: por que nao falou de comida antes?
Ne: meh
Li: vou apresentar pra vocês algumas pessoas daqui
*abre a porta de uma loja
*bate no balcão
Xiulabi! esse aqui é o cara
Xi: hummm
eai Lily o que trás aí?
Li: rapaz esses aqui são os novos caras que acabaram de chegar aqui
**sai um cara de uma porta do lado
??: hum?
Li: ah e esse aí é o kanix, eles sempre andam juntos
H: o que é essa loja?
Li: essa loja aqui é uma oficina de coisas avançadas, eles usam outros tipos de pedras pra fazerem não só armas mas como máquinas e outras coisas
eles costumam fazer as únicas coisas elétricas daqui
L: comequié??? xilofone?
H: XIXUXI?
Li: xixuxi... aksskakskjs
*olha pro relógio
vixe gente... tá tarde é melhor eu ir
Ne: vai lá
Li: *entrega um cartãozinho pra Nevaska
se vocês quiserem ir lá no hotel vocês podem, tem uma pessoinha lá pra ajudar vocês
;)
*sai da loja
Xi: meeee kanix é melhor a gente fechar também
Ka: verdade bora lá
Ne, H, L, P: *saem da loja
Ne: hotel forestvalley hm?
**veem um vulto preto andando
Ne: *olha atentamente pra ele e percebe um rosto familiar
??: *olhando pro lado procurando algo
Ne: ...
ei!
??: *olha pra eles revelando o rosto, de uma pessoa alta, meio magra mas musculosa *percebe-se, o shibaru olha pra eles e diz
sim?
Ne: é você!
Sh: poxa vida que coincidência né? *tira o gorro do casaco
achei que vocês iam tá numa missão agora
Ne: e estamos
o que você tá fazendo aqui?
Sh: bom, como você voltou eu resolvi tirar umas férias né?
relaxar, botar os pés pra cima, curtir um festival
eu sou humano também, não?
hahaha
H: a gente sabe o que você fez
Sh: o que eu fiz? como assim o que eu fiz?
Ne: a gente viu o corpo da Winry no chão, completamente morto
você não tem nenhum senso de humanidade não?
Sh: o que? o que.. como assim? a Winry, morta?
e como tá o Arthur
L: nao de faz de preocupado, a gente sabe que foi você
P: *olha atentamente pra ele
...
°-°
*fica parada observando
Ne: foi você, a gente tem todas as provas!
Sh: e quais são?
e quem é ela? *aponta com o olhar pra ponce
P: ... foi você...
Sh: ?
P: foi você que me botou naquela pirâmide!
Sh: voce deve tá se confundindo
H: para de fingir, óbvio que foi você
*pega o distintivo do shibaru e enrola num monte de papel
*joga nele
Sh: *segura, depois de bater na barriga dele
...
H: você matou a Winry depois que ela leu isso aí
Sh: ... ela tinha que aprender a cuidar da própria vida...
Ne: COMO É??
Sh: eu particularmente não gosto de deixar outras pessoas verem minhas coisas pessoais...
Ne: ENTÃO VOCE ADMITE QUE MATOU????
Sh: pra calar a boca dela? digamos que talvez
Ne: *avança num ataque de fúria e soca com tudo a barriga dele
Sh: *vai um pouco pra trás e fica parado com as mãos na barriga
*deixa o distintivo cair
ugh
*se ergue e olha pra Nevaska
Ne: seu... MEXILHÃOZINHO
*soca a cara dele e tenta dar outro soco nele
Sh: *segura Nevaska
u-uh guarda???
algum guarda? alguém?
socorro!
Hb: *passando por ali olha e vê os dois brigando
*corre e entra no meio
opa opa opa opa
que isso gente? calma aí..
Ne: como que eu vou ter calma pra um assassino???
*empurra hb
Hb: *quase cai no chão
*levanta meio sério
moça, e vocês vocês vem comigo
H: °°
Ne: hurrrrr
:l
Hb: *segura Nevaska
Ne: EI ME SOLTA
Hb: Clocks
Cl: *surge de trás de uma das casinhas
Hb: ah perfeito, clocks ce consegue levar esses caras aqui pra prisão enquanto eu converso com o senhor aqui?
Cl: *segura a Nevaska
L: ouououou qual foi a gente não vai ser presos não tá maluco????
Cl: *olha pra trás e vê um cara bem alto e forte passando
ei, gerbidal, por favor
Ge: qual o problema?
Cl: cuida desses guris aqui pra mim
Ne: ME LARGA LOGO SEU RELÓGIO
*tenta segurar os braços do clocks mesmo estando imobilizada
Cl: eu quero ver se você vai falar isso depois...
Ge: *carregando um em cada parte de um jeito indescritível
eae pra onde a gente leva essas caçamba véia?
Cl: me segue
*vão se distanciando
Hb: humph
senhor, pode me dizer o que acontece-
*olha pra trás
...
senhor?
...
...
*não tem ninguém...
No próximo do de Najiyu:
Najiyu Ep 9 Nós somos prisioneiros! Por enquanto
🕵️‍♂️
submitted by henrylore to Najiyu [link] [comments]


2020.09.06 14:17 DemonFranco É possível mesmo duas pessoas se relacionarem de forma PURAMENTE sincera?

Até os 18 anos (hoje tenho 22) eu fui extremamente introvertido, com pouquíssimo contato com a realidade do mundo. Desde moleque desenvolvi uma vontade muito forte de ter aquele clássico relacionamento vitalício (não perfeito, mas no mínimo sincero e recíproco) que se vê em filmes de romance ou animes tipo Naruto. Na verdade, lá no fundo, ainda tenho essa vontade. Mas essa vontade foi minha perdição, pois dediquei demais à pessoas que não estavam dispostas a fazer 5% do que eu estava.
A primeira decepção foi com, claro, meu primeiro amor: nunca amei tanto alguém como amei aquela garota. Fiz de tudo pra me aproximar dela, fui até em sua casa pedi-la em namoro, e o pior é que ela aceitou sem me desejar. Passamos 2 anos nos "relacionando" sem um abraço sequer e com conversas vazias, até chegar o dia em que ela decidiu ser sincera (hoje eu vejo que tudo era bem óbvio, mas minha introversão tinha me tornado muito inocente). Logo depois arrumei uma webnamorada, com quem namorei por foto e vídeo até conseguir um emprego aos 19 e conseguir visitá-la: perdi 4 dias de trabalho sem atestado, quase fui demitido e viajei SOZINHO pra São Paulo mesmo sendo que não saía pra jogar bola na rua. Finalmente, então, perdi meu bv e minha virgindade. Apesar de que voltei pra casa feliz e realizado com a nova etapa do relacionamento, a mesma terminou comigo uma semana depois, com desprezo e raiva em suas palavras e até hoje não entendo porquê. Vida que segue, comecei a me socializar mais, ir em festas, conhecer novas pessoas, e na própria empresa em que eu trabalhava conheci uma garota que me admirava por minha espontaneidade. Ela também era muito introvertida, vem de uma família evangélica extremamente violenta e ríspida, então eu senti que poderia "salvá-la" mostrando os prazeres do mundo fora da caixa do preconceito. Sempre deixei claro a ela que gosto de tudo o que o cristianismo lhe ensinou a fugir: bruxaria, cannabis, liberdade de expressão, etc. Logo, desde o início estávamos cientes de que nada seria fácil, mas eu estava disposto a enfrentar tudo aquilo e muito mais, inocentemente acreditando que isso a inspiraria a fazer coisas parecidas por mim. Engoli muitos absurdos retrógrados vindo de sua família e fingi com todas as minhas forças ser alguém que não sou (algo que desprezo e talvez não tenha feito muito bem), resistindo por "Só mais alguns anos, e vamos sair daqui". Bom, acontece que todos os meus estímulos liberais incentivaram ela a descobrir que é lésbica - e por mim tudo bem, de verdade. O problema foi que ela omitiu isso até o último dia, fingindo estar tudo bem e ainda alimentando nossos projetos futuros. No dia do término, eu fui em sua casa porque ela estava estressada, na intenção de melhorar o mínimo que fosse do seu dia. Ela me deixou ir embora pra terminar por mensagem do Facebook de sua mãe; insisti pra ela pelo menos falar o que tinha pra falar me olhando nos olhos, mas ela me tratou como se fosse um qualquer e realmente não queria nunca mais me ver.
Até então essa é minha história amorosa, mas eu também contei demais com amizades e todas (exceto uma) me decepcionaram. Comecei minha vida social com dois de meus primos (um deles é a mencionada exceção), mas o outro simplesmente se afastou de nós sem razão aparente - isso foi frustrante pra mim porque eu gosto muito dele e de seu irmão, mas nunca foi recíproco. Depois disso conheci o cara mais problemático que já passou na minha vida: 100% egomaníaco, repleto de defeitos gritantes que qualquer um com um pouco de amor próprio não investiria sua saúde mental para suportar. Mas eu, trouxa, fui diferente. Aguentei todos os seus absurdos, surtos sem sentido, falso senso de superioridade, ego frágil e invejoso, ciúmes até da minha ex (sim, hoje eu sei que ele gostava de mim mais que como amigo), enquanto via seus outros conhecidos pouco a pouco se afastarem dele. Ele foi o primeiro """""bruxo"""""" (entre muitas aspas porque a prole só sabia o que tinha pesquisado no Google e lido em revistas de banca) que conheci e, como eu valorizo muito conhecimento esotérico e não sabia de nada quando o conheci, confiei em todas as suas palavras e atitudes. E continuaria assim, se ele não tivesse tentado me agarrar enquanto fingia estar incorporando minha deusa-mãe. Na cabeça dele era um pretexto perfeito, já que essa mesma deusa está relacionada ao sexo e eu sou bi. Mas, sério, nunca vi alguém com tanto sex appeal negativo quanto esse cara. Simplesmente parei de conversar com ele, não dei satisfação alguma porque ele sabe muito bem o que aconteceu. Mas seu ego frágil não deixou isso barato: hoje eu passo na rua e todos os amigos que tínhamos em comum nem me cumprimentam mais, e de longe olham torto ou fingem que não me viram. Coincidência? Acho que não. Agora, em tempos de quarentena que está ainda mais difícil conhecer pessoas novas e criar qualquer tipo de relacionamento (como se já não fosse um desafio pra alguém que cresceu introvertido), me sinto sozinho e essa infelizmente é a melhor opção pro momento. Mas eu não quero deixar minha vontade morrer: quero de verdade dividir uma vida com alguém, compartilhar histórias que só nós vivemos, entender o que ela pensa só de olhar nos olhos. Isso é utópico demais? Será que ainda tô vivendo nos meus 17 anos?
submitted by DemonFranco to desabafos [link] [comments]


2020.08.26 08:52 Pedr8o Coisas que eu iria fazer na minha vida se eu voltasse para o passado

-Se afastar de “amigos” tóxicos: na época de colégio sempre queremos estar dentro de um grupo, a ideia de se sentir sozinho era horrível,no meu caso tinha uma menina que fazia questão de me chamar de feio, com isso minha autoestima estava lá em baixo; só após que eu me afastei dela que eu vi que tinha meninas que me achavam bonito pra caralho e que ela fazia isso apenas pq sabia que me deixava triste. -Os problemas do colégio não vão ser importantes para a sua vida: existe trabalhos, responsabilidades,sonhos e conquistas,naquele tempo eu deveria ter feito um curso de especialização ou algo do tipo. -Não abaixe a cabeça para se encaixar no grupo -Tenha amor próprio -existe pessoas que falam besteiras apenas para te ver triste -as pessoas que vc conhece são apenas colegas, amigos de verdade só é a família ( no meu caso é🤷) -existe coisas mais importantes do que mulheres, foque no seu futuro -O sexo não é lá essas coisas -Nem sempre ser um zé droguinha é bom, vai por mim continua longe dessa galera,sua colega no futuro vai aparecer com um “corte novo” -Não se arraste por mulher, quando uma mulher está afim de vc ela não fica enrolando, existe mulher que apenas quer ter a sua atenção e nada demais, traduzindo ela quer que vc trate ela igual uma princesa para ajudar o ego dela. -nem perca seu tempo acreditando no que as mulheres falam de homem ideal, se elas soubessem escolher mesmo elas não ficarem com o mesmo estilo de homens o tempo todo. -sua saúde é o que importa, se afastar de pessoas ruins não é difícil.
submitted by Pedr8o to desabafos [link] [comments]


2020.08.21 04:22 clzedi "O que sobrou de mim" (Ou "Último texto")

A dor é real. Eu sinceramente não sei o que vou fazer com a minha vida quando acabar de escrever este texto. Tenho seis cartelas de remédio, um licor forte, uma dor calcinante, mas também muita vontade de viver. As cartas estão na mesa.
Escolhi o Reddit por nunca ter usado a plataforma, e sei minimamente como mexer aqui. Perdoe qualquer gafe, confidente anônimo, mas não tenho coragem de expor isso publicamente em minha rede social, pra amigos ou seja lá quem for.
Hoje eu fiz a melhor viagem da minha vida. Sim, viagem, literalmente. 25km de percusso, numa estrada irregular, dirigindo aos máximos 160km/hr. Foi libertador, e tenho extremo pavor dessa sensação: sensação de liberdade completa, sem medo da dor ou da morte. Numa curva mais ou menos na metade do trajeto, um lampejo me bateu, uma pisada mortal no acelerador me jogaria barranco abaixo em um voo de glória rumo a seja lá qual lugar esteja reservado para mim. De repente, estou na pista novamente, a curva feita com uma precisão automática do cérebro. Algo dentro de mim insiste em viver, insiste em lutar.
Eu amo a vida. Eu amo tudo e todas as experiências. Eu sou realizado, tenho conquistas, sonhos que caminham a passos largos ao sucesso, em todas as suas definições. Tenho duas filhas lindas, felizes, carinhosas, o tipo de criança que qualquer pai se orgulharia. São minhas jóias raras, e vou carregar elas comigo dentro do peito eternamente, mesmo que o pior aconteça.
Eu sou casado a 12 anos. Pelo menos era, até uma semana atrás. Minha esposa, sem cobrança, sem reclamação, e tenho certeza, sem nenhum evento extraconjugal, me pediu divórcio.
Parece um resumo porco, mas é simples como parece, e complexo na prática.
A 12 anos atrás, eu era só um garoto com uma mochila de roupas, 25 reais no bolso, um violão nas costas, viajando para outro estado, para conhecer o amor da minha vida que havia descoberto na internet. Desse nossa primeira conversa eu já sabia que ela era a pessoa da minha vida, que tinha descoberto o amor que muitos cantavam em suas poesias, mas eu não conhecia antes dela. Fui para seu estado sem ao menos ver uma foto sua: não me importava qual era seu gênero, ou sua cor ou seja lá o que me esperava. Eu sabia que aquela simbiose não seria acharia em mais ninguém, e ela, independente de quem ela fosse, era a pessoa da minha vida...
... Quando cheguei, pude constatar: ela era linda. Tenho certeza de tê-la visto em meus sonhos de infância. Era linda, era inteligente, era perfeita em tudo.
É incrível como o passado pode ser tão lindo e cruel ao mesmo tempo, e na mesma intensidade.
12 anos...
Construímos uma vida juntos. Não foram tempos fáceis, mas ela continuava perfeita em tudo. Passamos fome juntos. Planejamos e criamos nossas duas filhas juntos. Tivemos crises, e resolvemos juntos. Viajamos juntos. Abrimos juntos nossa empresa. Crescemos juntos. Conquistamos a vida juntos.
12 anos...
Minha filha mais velha acabou de me ligar, interrompendo meu texto e meu devaneio. Tudo está de ponta cabeça, não sei o fazer.
Tomei metade da garrafa e reli o texto. Não me parece grande coisa, e não reflete nem 1% da história em seu contexto original.
Vou nomear esta metade de garrafa de "Coragem". Agora faltam os remédios e a outra metade. O rosto de minha filha está fixado na minha mente.
Há quem acredite em divina providência. Essa coincidência gritante me desestabizou, e ao meu texto, e a sua interpretação, confidente. As palavras já nem fazem mais sentido a essa altura.
Meus dedos estão molhados de lágrimas, bagunçando a tela e impedindo minha escrita. Como eu queria um abraço agora, mesmo que um abraço de um desconhecido... No ombro dele, eu choraria e diria como minha vida foi boa até aquele momento... Contaria todos brilhos nos olhos e frio na barriga que vivi até aquela hora...
Brilho nos olhos que não via mais nos olhos dela no dia em que ela me fez o referido comunicado. Eu estou morto por dentro... Aqui jaz o amor verdadeiro.
Ela está na casa da mãe dela, em depressão. Disse ao psicólogo que ainda me ama, mas por algum motivo, não quer mais viver comigo. Isso é ainda mais castigante, o fato de não saber o que está acontecendo! Eu faria qualquer coisa para vê-la feliz, eu morreria mil vezes por ela, e simplesmente ela me corta, a custos altos, de sua vida.
Eu chorei, entrei em desespero: por que? O que aconteceu? Eu preciso entender! Minha mente está cansada...
O licor é de pêssego. Muito bom, por sinal. Presente de um casal de amigos em comum para nós. Três maços de cigarros estão na cama, e as cartelas esperando serem devoradas... Mas o rosto da minha filha brincando comigo na chamada de vídeo está estampado em todos as quinas do meu cérebro.
A inocência delas me causam inveja num momento como esse. Queria pensar que é tudo passageiro, mas estou apenas esperando o lampejo, o mesmo lampejo da curva, e contando que desta vez minha mente não me proteja.
Você, confidente, pode me chamar de fraco, pensar que eu mereço isso... Eu não ligo. Ainda não cheguei no fundo do poço, mas espero que ele chegue logo. Estou em queda livre, e ganhando velocidade. Enquanto isso, me poupe de palavras e julgamentos vazios de quem não sabe o que é o amor.
O amor é puro, é lindo, e eu amo ela... Esperar essa situação se resolver pode ser o caminho mais sensato, mas é de longe o mais difícil. Sei que ela está doente, sei que não está normal, mas as palavras machucam e as ações mais ainda. Não sei o que vai sobrar de mim se eu decidir encarar este processo.
Eu amo a vida, mas eu quero que essa dor passe.
Filha, o pai te ama.q
submitted by clzedi to desabafos [link] [comments]


2020.08.17 05:41 futebolstats 8 Ideias de Presentes Criativos para Torcedores do Vasco

O Vasco é um time com muitos torcedores. Com certeza, você conhece alguém que morre de amores pelo time. Pensando nisso, listamos 8 ideias de presentes com temática do time para que você possa dar para aquela pessoa especial.
Lembrando que são apenas algumas ideias, mas se quiser ver mais opções de produtos do Vasco para presentear torcedores, visite a loja da Amazon aqui.

Confira algumas ideias de presentes do Vasco para torcedores!

Roleta de bebida


Onde Comprar: Amazon
Material roleta papel
Marca: Minas De Presentes
Tema: vasco

Conjunto regata e shorts Times de futebol

Onde Comprar: Amazon
Regata produzida em malha com listras craqueladas
Bermuda produzida em Tactel
Produto personalizado com as cores do clube
Comprimento do produto em cm: regata 48 / bermuda 39; largura do produto em cm: regata 62 / bermuda 47

Garrafa De Inox – Vasco Vasco Preto

Onde Comprar: Amazon
Material: inox
Material: inox e uma tampa que abre com botao
Litragem: 650 ml

Rêve D’or Sport – Meião Campo Vasco, P, Branco/Preto

Onde Comprar: Amazon
Meião infantil
Para aquecer os pés das crianças com muito estilo
Produto personalizado com as cores do clube
Largura do produto em cm: meia calçado 25 ao 28

Jogo Caneta Roller Ball De Metal Com Chaveiro Vasco Da Gama

Onde Comprar: Amazon
Material caneta: metal
Material chaveiro: metal
Chaveiro com brasão do vasco

Ebook Monumental – O Vasco de 1997 a 2000

Onde Comprar: Amazon
A ideia de contar essa história surgiu ao perceber a chegada dos 20 anos do terceiro título brasileiro do Vasco. Conquista esta que iniciou uma fase muito vitoriosa do clube, que foi até 2000, e que o clube não conseguiu chegar nem perto disso desde então.
Atualmente, muitos jovens torcedores já perguntam como era ver o Edmundo jogar, se o Felipe era melhor que o Nenê, se jogadores como os Juninhos, Pedrinho, Ramon, Mauro Galvão e tantos outros eram “isso tudo mesmo”, como era o clima da torcida.

Bolsa Térmica Vasco

Onde Comprar: Amazon
Cor: Preta
Tamanho: 20X14

Ebook Paixão da Gama: A Maravilhosa História do Vasco

Onde Comprar: Amazon
A história rica e repleta de acontecimentos notáveis do Club de Regatas Vasco da Gama, organizada cronologicamente, relatando fatos relevantes ocorridos em cada um dos 113 anos . As campanhas vitoriosas de conquistas obtidas no Brasil e no exterior, os times, os craques e ídolos da torcida, as torcidas organizadas e os torcedores famosos, os presidentes, o patrimônio, a saga doa construção do caldeirão de São Januário, a luta pela discriminação social e racial, e muito mais.
Essas são algumas dicas de itens para presentear pessoas torcedoras do Vasco. O que achou? Gostou das ideias de presentes? Essas foram apenas algumas ideias, mas se quiser ver mais opções de produtos do Vasco para presentear torcedores, visite a loja da Amazon aqui.
Achou algum presente legal? Deixe seu comentário!
O post 8 Ideias de Presentes Criativos para Torcedores do Vasco apareceu primeiro em Futebol Stats.
from Futebol Stats https://bit.ly/34ajGtJ
via IFTTT
submitted by futebolstats to SiteFutebolStats [link] [comments]


2020.08.11 00:50 migueucardouso Conecte-se com o mundo

A Noite nublada, tristonha, choramingava um orvalho denso e contínuo, insistindo para que saísse e desfrutasse da beleza da cidade da Figueira da Foz.
Confesso que estava reticente quanto ao pedido. Não sabia se deveria arriscar seguir a sua vontade, ou a negar. Decidi dar o braço a torcer. Habilitar-me-ia ao risco de ter uma noite enfadonha, mas ao menos, sempre corromperia a linha do hábito e da rotina.
Ela, satisfeita com a minha escolha, moderou o seu comportamento. O orvalho cessou, a temperatura aumentou e as nuvens, que se esforçavam por esconder a beleza das estrelas, tiraram o resto da noite para folga.
Depois de percorrida a marginal lotada de pessoal, vistas as atrações que pretendiam prender quem por ali procurava diversão e apreciada a mistura de aromas provenientes dos restaurantes, o apetite, naturalmente, demonstrou que estava presente. Era só mais uma a paragem a registrar, junto ao Largo Luís de Camões, o restaurante Praça 18º.
Mais uma adversidade fez questão de se colocar no meu caminho. No interior, as mesas estavam completamente lotadas. A pandemia obrigou que a lotação total permitida fosse reduzida e o espaço, outrora capaz de dar abrigo a um número considerável de pessoas, o que permitia uma entrada imediata, beneficiava agora os perspicazes que se lembravam de fazer reserva.
Aproveitei para ver as brincadeiras das crianças, que fartas de estar à mesa, se escapuliam para o exterior, para se entreterem e se relacionarem (a minha alegria aumenta ao ver que ainda há crianças que brincam e não ficam coladas ao ecrã). As fachadas dos antigos edifícios situados naquele largo (prestes a serem recuperadas, assim como o interior dos edifícios) agarraram a minha atenção. Sempre que páro para apreciar estas maravilhas arquitetónicas, invejo os antepassados. Se atualmente, algumas já não são devidamente cuidadas, mas ainda assim, a sua beleza continua a manifestar-se grandiosamente, como seria no momento após a finalização das suas construções? Era nestes momentos que desejava ter nas minhas mãos a Máquina do Tempo! O melhor foi a conversa agradável com os meus pais. Tudo isto conjugado permitiu que o tempo voasse, sem ser preciso recorrer às redes sociais, jogos ou distrações.
Chegou finalmente a hora! Fomos convidados a sentarmo-nos numa mesa quadrangular, muito espaçosa, em frente à entrada. A aragem que por ali circulava sem permissão, socorria-nos do calor humano e da mistura de cheiros de especiarias e confeções. De fundo, uma bela melodia percorria os ares e tranquilizava as mentes ansiosas por degustar as iguarias da casa. As garrafeiras pregadas à parede, junto ao balcão, carregavam uma escolha diversificada de bebidas. Antes mesmo do prato estar na mesa, já os olhos ambicionavam uma bebida fresca de qualidade. Apesar do ambiente agradabilíssimo, os meus olhos captaram algo que particularmente, não me agrada.
Nas mesas em que aguardavam pela comida, todos os ocupantes davam uso a um aparelho tecnológico, apesar de terem à sua frente outros indivíduos com quem falar e conhecer melhor, para além do maravilhoso espaço a contemplar.
Apesar de ser completamente dependente dos aparelhos tecnológicos, há momentos em que julgo serem obrigatoriamente descartáveis. Depois de uma semana de trabalho, em que as oportunidades de paragem são mínimas e o tempo de conversa tem que ser muito bem equacionado, são estes os momentos ideais para que haja uma reconexão entre familiares e amigos. São estes os momentos necessários para resolver conflitos, obter ajudas, desenvolver planos, saber mais sobre o(s) acompanhante(s) e olhar para o mundo criticamente.
Reservar a concentração e a disposição ao mundo virtual faz com que se perca o propósito das saídas, das descobertas e dos encontros. As relações, construídas em alicerces frágeis, vão-se deteriorando, até ao momento em que há a perceção da falsidade e do desconhecimento que preenche a conexão entre pelo menos duas pessoas, desabando por fim o edifício do “amor”.
Conecte-se ao mundo! Deixe que seja ele a sua rede, deixe que seja ele a oferecer-lhe as melhores riquezas que a vida proporciona.
submitted by migueucardouso to estado_critico [link] [comments]


2020.08.11 00:49 migueucardouso Conecte-se com o mundo

A Noite nublada, tristonha, choramingava um orvalho denso e contínuo, insistindo para que saísse e desfrutasse da beleza da cidade da Figueira da Foz.
Confesso que estava reticente quanto ao pedido. Não sabia se deveria arriscar seguir a sua vontade, ou a negar. Decidi dar o braço a torcer. Habilitar-me-ia ao risco de ter uma noite enfadonha, mas ao menos, sempre corromperia a linha do hábito e da rotina.
Ela, satisfeita com a minha escolha, moderou o seu comportamento. O orvalho cessou, a temperatura aumentou e as nuvens, que se esforçavam por esconder a beleza das estrelas, tiraram o resto da noite para folga.
Depois de percorrida a marginal lotada de pessoal, vistas as atrações que pretendiam prender quem por ali procurava diversão e apreciada a mistura de aromas provenientes dos restaurantes, o apetite, naturalmente, demonstrou que estava presente. Era só mais uma a paragem a registrar, junto ao Largo Luís de Camões, o restaurante Praça 18º.
Mais uma adversidade fez questão de se colocar no meu caminho. No interior, as mesas estavam completamente lotadas. A pandemia obrigou que a lotação total permitida fosse reduzida e o espaço, outrora capaz de dar abrigo a um número considerável de pessoas, o que permitia uma entrada imediata, beneficiava agora os perspicazes que se lembravam de fazer reserva.
Aproveitei para ver as brincadeiras das crianças, que fartas de estar à mesa, se escapuliam para o exterior, para se entreterem e se relacionarem (a minha alegria aumenta ao ver que ainda há crianças que brincam e não ficam coladas ao ecrã). As fachadas dos antigos edifícios situados naquele largo (prestes a serem recuperadas, assim como o interior dos edifícios) agarraram a minha atenção. Sempre que páro para apreciar estas maravilhas arquitetónicas, invejo os antepassados. Se atualmente, algumas já não são devidamente cuidadas, mas ainda assim, a sua beleza continua a manifestar-se grandiosamente, como seria no momento após a finalização das suas construções? Era nestes momentos que desejava ter nas minhas mãos a Máquina do Tempo! O melhor foi a conversa agradável com os meus pais. Tudo isto conjugado permitiu que o tempo voasse, sem ser preciso recorrer às redes sociais, jogos ou distrações.
Chegou finalmente a hora! Fomos convidados a sentarmo-nos numa mesa quadrangular, muito espaçosa, em frente à entrada. A aragem que por ali circulava sem permissão, socorria-nos do calor humano e da mistura de cheiros de especiarias e confeções. De fundo, uma bela melodia percorria os ares e tranquilizava as mentes ansiosas por degustar as iguarias da casa. As garrafeiras pregadas à parede, junto ao balcão, carregavam uma escolha diversificada de bebidas. Antes mesmo do prato estar na mesa, já os olhos ambicionavam uma bebida fresca de qualidade. Apesar do ambiente agradabilíssimo, os meus olhos captaram algo que particularmente, não me agrada.
Nas mesas em que aguardavam pela comida, todos os ocupantes davam uso a um aparelho tecnológico, apesar de terem à sua frente outros indivíduos com quem falar e conhecer melhor, para além do maravilhoso espaço a contemplar.
Apesar de ser completamente dependente dos aparelhos tecnológicos, há momentos em que julgo serem obrigatoriamente descartáveis. Depois de uma semana de trabalho, em que as oportunidades de paragem são mínimas e o tempo de conversa tem que ser muito bem equacionado, são estes os momentos ideais para que haja uma reconexão entre familiares e amigos. São estes os momentos necessários para resolver conflitos, obter ajudas, desenvolver planos, saber mais sobre o(s) acompanhante(s) e olhar para o mundo criticamente.
Reservar a concentração e a disposição ao mundo virtual faz com que se perca o propósito das saídas, das descobertas e dos encontros. As relações, construídas em alicerces frágeis, vão-se deteriorando, até ao momento em que há a perceção da falsidade e do desconhecimento que preenche a conexão entre pelo menos duas pessoas, desabando por fim o edifício do “amor”.
Conecte-se ao mundo! Deixe que seja ele a sua rede, deixe que seja ele a oferecer-lhe as melhores riquezas que a vida proporciona.
submitted by migueucardouso to literatura [link] [comments]


2020.08.11 00:49 migueucardouso Conecte-se com o mundo

A Noite nublada, tristonha, choramingava um orvalho denso e contínuo, insistindo para que saísse e desfrutasse da beleza da cidade da Figueira da Foz.
Confesso que estava reticente quanto ao pedido. Não sabia se deveria arriscar seguir a sua vontade, ou a negar. Decidi dar o braço a torcer. Habilitar-me-ia ao risco de ter uma noite enfadonha, mas ao menos, sempre corromperia a linha do hábito e da rotina.
Ela, satisfeita com a minha escolha, moderou o seu comportamento. O orvalho cessou, a temperatura aumentou e as nuvens, que se esforçavam por esconder a beleza das estrelas, tiraram o resto da noite para folga.
Depois de percorrida a marginal lotada de pessoal, vistas as atrações que pretendiam prender quem por ali procurava diversão e apreciada a mistura de aromas provenientes dos restaurantes, o apetite, naturalmente, demonstrou que estava presente. Era só mais uma a paragem a registrar, junto ao Largo Luís de Camões, o restaurante Praça 18º.
Mais uma adversidade fez questão de se colocar no meu caminho. No interior, as mesas estavam completamente lotadas. A pandemia obrigou que a lotação total permitida fosse reduzida e o espaço, outrora capaz de dar abrigo a um número considerável de pessoas, o que permitia uma entrada imediata, beneficiava agora os perspicazes que se lembravam de fazer reserva.
Aproveitei para ver as brincadeiras das crianças, que fartas de estar à mesa, se escapuliam para o exterior, para se entreterem e se relacionarem (a minha alegria aumenta ao ver que ainda há crianças que brincam e não ficam coladas ao ecrã). As fachadas dos antigos edifícios situados naquele largo (prestes a serem recuperadas, assim como o interior dos edifícios) agarraram a minha atenção. Sempre que páro para apreciar estas maravilhas arquitetónicas, invejo os antepassados. Se atualmente, algumas já não são devidamente cuidadas, mas ainda assim, a sua beleza continua a manifestar-se grandiosamente, como seria no momento após a finalização das suas construções? Era nestes momentos que desejava ter nas minhas mãos a Máquina do Tempo! O melhor foi a conversa agradável com os meus pais. Tudo isto conjugado permitiu que o tempo voasse, sem ser preciso recorrer às redes sociais, jogos ou distrações.
Chegou finalmente a hora! Fomos convidados a sentarmo-nos numa mesa quadrangular, muito espaçosa, em frente à entrada. A aragem que por ali circulava sem permissão, socorria-nos do calor humano e da mistura de cheiros de especiarias e confeções. De fundo, uma bela melodia percorria os ares e tranquilizava as mentes ansiosas por degustar as iguarias da casa. As garrafeiras pregadas à parede, junto ao balcão, carregavam uma escolha diversificada de bebidas. Antes mesmo do prato estar na mesa, já os olhos ambicionavam uma bebida fresca de qualidade. Apesar do ambiente agradabilíssimo, os meus olhos captaram algo que particularmente, não me agrada.
Nas mesas em que aguardavam pela comida, todos os ocupantes davam uso a um aparelho tecnológico, apesar de terem à sua frente outros indivíduos com quem falar e conhecer melhor, para além do maravilhoso espaço a contemplar.
Apesar de ser completamente dependente dos aparelhos tecnológicos, há momentos em que julgo serem obrigatoriamente descartáveis. Depois de uma semana de trabalho, em que as oportunidades de paragem são mínimas e o tempo de conversa tem que ser muito bem equacionado, são estes os momentos ideais para que haja uma reconexão entre familiares e amigos. São estes os momentos necessários para resolver conflitos, obter ajudas, desenvolver planos, saber mais sobre o(s) acompanhante(s) e olhar para o mundo criticamente.
Reservar a concentração e a disposição ao mundo virtual faz com que se perca o propósito das saídas, das descobertas e dos encontros. As relações, construídas em alicerces frágeis, vão-se deteriorando, até ao momento em que há a perceção da falsidade e do desconhecimento que preenche a conexão entre pelo menos duas pessoas, desabando por fim o edifício do “amor”.
Conecte-se ao mundo! Deixe que seja ele a sua rede, deixe que seja ele a oferecer-lhe as melhores riquezas que a vida proporciona.
submitted by migueucardouso to escrita [link] [comments]


Isadora Pompeo - O Teu Amor (Ao Vivo) - YouTube Kemuel - O Teu Amor (Ao Vivo) - YouTube QUEM É O SEU VERDADEIRO AMOR EM 2019 [ IncrivelMente Curiosa ] Onde eu vou conhecer o meu amor?!  LRC Onde vou conhecer meu grande amor? ❤️ QUE IDADE TEM O SEU AMOR VERDADEIRO? [ IncrivelMente Curiosa ] Onde vou conhecer meu grande AMOR? LUDI - Seu Amor ft. Isaías Saad (Clipe Oficial) - YouTube Weslei Santos - O Seu Amor por Mim (Ao Vivo) - YouTube

Namoro On - O Seu Site de Relacionamentos

  1. Isadora Pompeo - O Teu Amor (Ao Vivo) - YouTube
  2. Kemuel - O Teu Amor (Ao Vivo) - YouTube
  3. QUEM É O SEU VERDADEIRO AMOR EM 2019 [ IncrivelMente Curiosa ]
  4. Onde eu vou conhecer o meu amor?! LRC
  5. Onde vou conhecer meu grande amor? ❤️
  6. QUE IDADE TEM O SEU AMOR VERDADEIRO? [ IncrivelMente Curiosa ]
  7. Onde vou conhecer meu grande AMOR?
  8. LUDI - Seu Amor ft. Isaías Saad (Clipe Oficial) - YouTube
  9. Weslei Santos - O Seu Amor por Mim (Ao Vivo) - YouTube

onde irei conhecer o meu novo amor? ☆sibilla italiana e baralho cigano ... tarot responde onde estÁ o seu amor com cartas de jogo ... vou encontrar um amor em breve? tarô ... Clipe Oficial de 'O Teu Amor' do DVD “Filhos” do Kemuel. Ouça agora nas plataformas digitais: https://SMB.lnk.to/OTeuAmor O TEU AMOR Me escolheu e tornou-me ... Seu Amor - LUDI ft. Isaías Saad (Clipe Oficial) Inscreva-se no meu canal: http://bit.ly/2Y6qrqj Assista meu último lançamento: http://bit.ly/2XPyJUy Assista ... Surgirá um novo amor em breve? ... Henrique Cecatto 35,000 views. 25:40. Onde vc irá conhecer seu NOVO AMOR? Tarot Responde ... Características físicas e detalhes sobre o seu amor de ... Vídeo Oficial de 'O Seu Amor por Mim', de Weslei Santos. Faixa do EP 'Pra Todo Mundo Cantar'. Ouça completo em: https://SMB.lnk.to/PraTodoMundoCantar O Seu A... #IsadoraPompeo #OTeuAmor #MusileRecords Ouça 'Isadora Pompeo - O Teu Amor (Ao Vivo)”: https://Musile.lnk.to/pcs Baixe 'Isadora Pompeo - O Teu Amor (Ao Vi... QUE IDADE TEM O SEU AMOR VERDADEIRO? [ IncrivelMente Curiosa ] Eu sou a IncrivelMente Curiosa e sejam bem-vindos ao canal! _____ CURSO DE DESENVOLVIMENTO DE GAMES COMPLETO Clique aqui para saber ... QUEM É O SEU VERDADEIRO AMOR EM 2019 [ IncrivelMente Curiosa ] Eu sou a IncrivelMente Curiosa e sejam bem-vindos ao canal! E aí galera?! Você já tem uma paixão em 2019? Ou ainda está à ... Características físicas e detalhes sobre o seu amor de ... Previsão da semana 31 de maio a 06 de junho eclipse da lua cheia 🌕 em ... Onde eu vou conhecer o meu amor ...